Volkswagen confirma construção de nova fábrica de motores no México

Empresa, que é a maior montadora da Europa em vendas, tem como objetivo aproveitar a produção da nova unidade para abastecer suas fábricas de automóveis na América do Norte a partir de 2013.

Clarissa Mangueira, da Agência Estado,

22 de setembro de 2010 | 16h27

A alemã Volkswagen, maior montadora da Europa em vendas, confirmou que vai construir uma nova fábrica de motores no México com um investimento de € 400 milhões (US$ 535,1 milhões) para abastecer suas fábricas de automóveis na América do Norte a partir de 2013.

"A América do Norte continua a ser um dos maiores e mais importantes mercados de automóveis", afirmou Jochem Heizmann, membro do conselho de produção da montadora, em comunicado.

A Volkswagen está construindo atualmente uma nova fábrica de produção em Chattanooga, no Estado americano de Tennessee. Os executivos da montadora sinalizaram anteriormente que a empresa planejava construir uma nova fábrica de motores no México como parte de um esforço maior para melhorar suas operações na América do Norte e aumentar a produção local a fim de reduzir sua exposição às flutuações cambiais.

A montadora já opera uma fábrica de produção em Puebla, no México. A Volkswagen disse que tem como meta alcançar vendas de cerca de 1 milhão de veículos na América do Norte - volume registrado em 2008.

A volta dos negócios da montadora na América do Norte para a lucratividade é a pedra angular do ambicioso plano de expansão mundial da empresa para os próximos anos, que inclui um esforço para destronar a Toyota Motor, do posto de maior fabricante mundial de automóveis.

Em julho, a Volkswagen confirmou que planeja investir até US$ 1 bilhão no México nos próximos três anos, dentro do seu plano de expansão. A montadora planeja usar parte desses recursos para preparar uma fábrica de produção mexicana para a produção do sucessor do modelo Beetle. A nova geração do veículo está prevista para ser lançada em 2011. As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.