Votorantim Metais prevê investimento de R$ 1 bi em 2011

A Votorantim Metais vai investir em torno de R$ 1 bilhão em 2011, incluindo Brasil e exterior. Para o setor de alumínio, os aportes somarão R$ 401 milhões. Na área de níquel, a empresa vai investir R$ 151 milhões e para o segmento de zinco estão programados R$ 430 milhões. Segundo a companhia, os investimentos em projetos que têm potencial para implantação de novas minas no Brasil e no exterior serão de R$ 100 milhões.

CHIARA QUINTÃO, Agencia Estado

12 de abril de 2011 | 17h29

A empresa vai financiar a maior parte dos investimentos previstos para este ano com recursos próprios, segundo o diretor superintendente da empresa, João Bosco Silva. Haverá também parcela de recursos obtidos junto ao Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). Os investimentos da Votorantim Metais em 2010 também somaram R$ 1 bilhão, sendo R$ 889 milhões em aplicação em novos projetos.

Níquel

No setor de níquel, a Votorantim Metais vai investir na conclusão de projetos de modernização e melhoria da matriz energética para reduzir uso de óleo combustível em Niquelândia (GO) e para a mineração de Fortaleza de Minas (MG). A Votorantim Metais vai destinar aportes também para aumentar a capacidade de produção de cobalto eletrolítico, que é um subproduto do processamento de níquel.

A empresa ainda não definiu a retomada do projeto de ferro-níquel em Niquelândia (GO). "Vamos retomá-lo, mas estamos esperando o momento oportuno. Em função dos projetos novos de níquel que estão entrando em operação, o da Anglo American e Onça Puma, da Vale, resolvemos esperar o que vai acontecer com a oferta e a demanda globais para tomar a decisão", diz o diretor superintendente da Votorantim Metais, acrescentando que a mina está pronta e os equipamentos foram comprados. Já foram investidos R$ 480 milhões e serão necessários mais R$ 400 milhões para o projeto.

"Os negócios em que estamos são globais. No momento em que há vários projetos de níquel entrando, mais um cria expectativa no mercado, e os preços ficam mais baixos", acrescentou Silva. Segundo o executivo, as decisões de investimento da empresa levam em conta oferta e demanda mundial de cada metal e o preço médio futuro projetado para os próximos 20 anos.

Alumínio e zinco

Já a retomada da chamada "sala 8", nova linha de produção de alumínio primário para expansão da Companhia Brasileira de Alumínio (CBA), depende de a empresa encontrar fonte mais competitiva de energia. No momento, há discussões com a Companhia Energética de São Paulo (Cesp) sobre o assunto. A possibilidade de cogeração também é considerada, mas a avaliação da empresa é de que o preço do gás ainda é muito elevado no Brasil.

No setor de alumínio, a empresa vai concluir o centro de tratamento de perfis na fábrica de Alumínio (SP). Na unidade de Alumínio, serão investidos R$ 292 milhões este ano. A Votorantim Metais vai investir também nas minerações em Poços de Caldas, Miraí e Itamarati de Minas. No negócio de zinco, foi retomado o projeto de polimetálicos em Juiz de Fora (MG). Trata-se da primeira fábrica de polimetálicos no País.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.