Votorantim propõe ao Cade acordo sobre Cimpor

Os advogados da Votorantim propuseram hoje ao Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) a assinatura de um acordo de preservação da reversibilidade da operação (Apro) de compra de participação acionária na cimenteira portuguesa Cimpor. Se o acordo for assinado, a operação de compra ficará paralisada até que os conselheiros do Cade julguem o ato de concentração.

RENATA VERÍSSIMO, Agencia Estado

11 de fevereiro de 2010 | 18h35

A advogada Gianni Nunes de Araújo, representante da Votorantim, disse à Agência Estado que o acordo dará tranquilidade ao Cade para fazer uma análise técnica da operação. A advogada destacou que o encontro desta tarde com os conselheiros do Cade foi solicitado pela Votorantim na semana passada após a compra das ações que a francesa Lafarge detinha na Cimpor.

Gianni Nunes tentou dissociar a proposta de acordo do pedido de medida cautelar apresentado na terça-feira (dia 9) pela Companhia Siderúrgica Nacional (CSN) para que houvesse a paralisação da operação: "O pedido de reunião foi solicitado ao Cade na quinta-feira da semana passada (dia 4), antes do pedido de medida cautelar."

A advogada informou que a Votorantim tem até o dia 25 de fevereiro para notificar os órgãos de defesa da concorrência sobre a compra das ações. Ela disse que, até essa data, serão amadurecidos os termos do acordo. A advogada não revelou qual foi a posição dos conselheiros durante a reunião. Até o momento, o Cade não divulgou informações sobre o resultado do encontro.

Tudo o que sabemos sobre:
cimento, Votorantim, Cimpor, Cade

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.