Wall St avança com perspectiva de fusões e aquisições

As bolsas de valores dos Estados Unidos fecharam em alta nesta segunda-feira, uma vez que notícias de possíveis fusões e aquisições, somadas a uma série de recentes acordos, levaram investidores a acreditar que há mais espaço para valorizações no mercado, depois de um rali de mais de 50 por cento desde março.

CAROLINE VALETKEVITCH, REUTERS

14 de setembro de 2009 | 18h31

O índice Dow Jones, referência da bolsa de Nova York, avançou 0,22 por cento, para 9.626 pontos. O termômetro de tecnologia Nasdaq subiu 0,52 por cento, para 2.091 pontos. O Standard & Poor's 500 ganhou 0,63 por cento, para 1.049 pontos.

O otimismo com relação a possíveis acordos ofuscou preocupações com um atrito comercial entre Estados Unidos e China, depois que Washington impôs tarifas especiais sobre importações de pneus chineses.

As ações da companhia AES Corp subiram 4,5 por cento, após o Wall Street Journal divulgar uma matéria na qual um fundo soberano da China está em conversas para adquirir participação na AES.

Os papéis da Nextel Corp saltaram 10,1 por cento, depois que um jornal britânico informou que a empresa de telefonia alemã Telekom AG está considerando uma oferta para sua rival norte-americana.

"O mercado de fusões e aquisições está definitivamente começando a aquecer (A notícia da AES) motivou interesse em todo o setor de serviços essenciais", disse o chefe do grupo de equities Owen Fitzpatrick, do Deutsche Bank Private Wealth Management

Os bancos, que se beneficiam do mercado de fusões e aquisições, estiveram entre os maiores ganhadores também, com as ações do JPMorgan Chase em alta de 2,9 por cento, liderando o avanço no Dow Jones.

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, falando em Nova York um ano depois que o colapso do Lehman Brothers levou os mercados ao caos, pediu que as empresas financeiras não lutassem contra a reforma regulatória, mas houve pouca reação no mercado.

(Reportagem adicional de Edward Krudy)

Tudo o que sabemos sobre:
WALLSTFECHAATUALIZA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.