Wall St cai no dia por confiança, mas sobe no 2o tri

As bolsas de valores dos Estados Unidos caíram nesta terça-feira, uma vez que uma inesperada queda no índice de confiança do consumidor norte-americano deteve o otimismo sobre a recuperação da economia. Ainda assim, Wall Street teve seu melhor trimestre em uma década.

ELLIS MNYANDU, REUTERS

30 de junho de 2009 | 19h26

O índice Dow Jones, referência da bolsa de Nova York, recuou 0,97 por cento, para 8.447 pontos. O termômetro de tecnologia Nasdaq caiu 0,49 por cento, para 1.835 pontos. O índice Standard & Poor's 500 teve desvalorização de 0,85 por cento, para 919 pontos.

A queda em junho no índice de confiança do consumidor dos EUA, medido pelo Conference Board, sugeriu que a recessão que já dura 18 meses ainda não perdeu força sobre a economia do país.

O pessimismo entre os consumidores é o principal obstáculo, uma vez que os gastos têm o maior peso sobre os lucros corporativos e respondem por quase dois terços da economia norte-americana.

As maiores quedas desta sessão incluíram as ações industriais, de energia e de empresas ligadas a matérias-primas, alguns dos mesmos setores que ajudaram a sustentar a recuperação das bolsas de valores ante as mínimas em 12 anos atingidas no início de março, com a aposta de investidores na estabilização dos mercados.

"A confiança do consumidor é a desculpa para o mais recente movimento do mercado", disse Tom Alexander, presidente da Alexander Trading, em Savannah, Georgia.

"Para o mercado subir ainda mais, você vai ter que ver alguma evidência forte de algumas dessas coisas que estão sendo antecipadas pelo mercado... Vejamos só: os balanços dos bancos estão realmente limpos? Ninguém sabe. O mercado perdeu grande parte da fé."

Mesmo assim, o índice Standard & Poor's 500 teve seu melhor desempenho trimestral desde o quatro trimestre de 1998.

No acumulado de junho, o Dow Jones cedeu 0,6 por cento, ao passo que o S&P 500 teve variação positiva de 0,02 por cento e o Nasdaq subiu 3,4 por cento no mês.

Desde seu patamar mais baixo de fechamento em 12 anos, registrado em 9 de março último, o S&P 500 subiu 35,9 por cento.

De abril a junho, o Dow Jones avançou cerca de 11 por cento, o S&P 500 teve valorização ao redor de 15 por cento e o Nasdaq apresentou ganho de aproximadamente 20 por cento.

Tudo o que sabemos sobre:
WALLSTFECHAATUA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.