Wall Street cai com alerta de Obama sobre supervisão

As bolsas de valores dos Estados Unidos fecharam em queda nesta quarta-feira, depois que o presidente norte-americano, Barack Obama, alertou sobre uma supervisão mais rígida para Wall Street, levantando o fantasma da uma regulação maior que investidores temem que possa enfraquecer os lucros. O índice Dow Jones, referência da bolsa de Nova York recuou 1,09 por cento, para 7.270 pontos. O termômetro de tecnologia Nasdaq caiu 1,14 por cento, para 1.425 pontos. O índice Standard & Poor's 500 teve desvalorização de 1,07 por cento, para 764 pontos. Perto do fechamento dos mercados, Obama disse que instituições financeiras que apresentem um sério risco para os mercados devem ser sujeitas à forte supervisão do governo. "Sempre que houver uma questão sobre quão grande será o papel do governo... o mercado não gosta disso", disse Peter Kenny, diretor-gerente na Knight Equity Markets na cidade de Jersey, New Jersey. Os negócios foram voláteis nesta quarta-feira, com as ações atingidas pela incerteza sobre o plano do governo para dar sustentação ao sistema bancário e pelas fracas vendas de casas. O mercado chegou a operar rapidamente em território positivo, depois que o governo deu detalhes sobre os testes de estresse de níveis de capital de bancos, com investidores apostando que bancos seriam capazes de resistir aos novos testes com relativa facilidade. No final, no entanto, os índices voltaram a cair.

CHUCK MIKOLAJCZAK, REUTERS

25 de fevereiro de 2009 | 20h11

Tudo o que sabemos sobre:
WALLSTFECHA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.