Wall Street despenca após dados fracos de emprego nos EUA

Relatório mostra que os empregadores cortaram 4 mil postos de trabalho durante o mês de agosto

CAROLINE VALETKEVITCH, REUTERS

07 de setembro de 2007 | 17h34

As bolsas de valores dos Estados Unidos fecharam em forte queda nesta sexta-feira, 7, depois da primeira redução em quatro anos no emprego dos EUA, que geraram temores de uma recessão. O relatório mostrou que os empregadores cortaram 4 mil postos de trabalho durante o mês de agosto, o que analistas dizem que confirma a preocupação sobre a economia e aumentam os pedidos para que o Federal Reserve reduza a taxa básica de juros na reunião de 18 de setembro. "O relatório de emprego foi mais importante do que muitas das informações que vimos recentemente e isso provocou um salto nos juros futuros em termos da possibilidade de uma redução na taxa", afirmou Tim Ghriskey, diretor-executivo de investimentos da Solaris Asset Management, em Bedford Hills, Nova York. Ações de companhias industriais, que geralmente reagem aos ciclos da economia, ficaram entre os destaques de queda, junto com papéis de empresas do setor de informática, que vinham registrando desempenho acima do mercado. A índice Dow Jones fechou com baixa de 1,87%, a 13.113 pontos, e o índice Standard & Poor's 500 perdeu 1,69%, para 1.453 pontos. Já o Nasdaq recuou 1,86%, a 2.565 pontos. As ações da fabricante de equipamentos pesados Caterpillar caíram 3%, para US$ 73,44, enquanto os papéis da fabricante de chips Intel registraram queda de 2,6%, para US$ 25,47. Outros destaques foram as ações da joalheria de luxo Tiffany & Co, que caíram 2,57%, para US$ 49,29, e as da montadora General Motors, que recuaram 4,8%, para US$ 29,55.

Tudo o que sabemos sobre:
WALLSTFECHA

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.