Wall Street fecha em baixa, liderada por commodities

As ações norte-americanas fecharam em baixa nesta quarta-feira após quedas nos preços do petróleo e de metais servirem de motivo para que investidores vendessem, com ações relacionadas a commodities liderando a queda.

CAROLINE VALETKEVITCH, REUTERS

28 de março de 2012 | 18h06

O índice Dow Jones, referência da bolsa de Nova York, recuou 0,54 por cento, para 13.126 pontos. O índice Standard & Poor's 500 teve desvalorização de 0,49 por cento, para 1.405 pontos. O termômetro de tecnologia Nasdaq caiu 0,49 por cento, para 3.104 pontos.

Uma queda aguda nos preços de futuros de petróleo, provocada por conversas sobre a autorização do uso de reservas estratégicas de petróleo dos Estados Unidos e da Europa, afetou ações ligadas a energia. O setor de matérias-primas também registrou queda.

Um relatório aquém das expectativas sobre encomendas de bens duráveis nos Estados Unidos coibiu parte do recente otimismo de investidores a respeito da economia, levando a piores performances no setor industrial.

Analistas também disseram que compras no final do semestre, que impulsionaram os preços das ações mais cedo nesta semana e fizeram com que algumas das ações de melhores performances atingissem novas máximas em 52 semanas, podem estar rareando.

Aquisições das melhores ações para melhorar a performance aparente de portfólios "provavelmente elevaram os preços das ações ao longo dos últimos dias", disse Robert Van Batenburg, chefe de pesquisa de ações no Louis Capital em Nova York.

"Essa pressão positiva está desaparecendo", adicionou. "Se você comprar um papel agora, ele se assentará na segunda-feira e não será incluído nos resultados do primeiro trimestre".

A ação da Caterpillar, que fechou em baixa de 3,5 por cento a 104,26 dólares, foi o maior peso sobre o Dow. As grandes empresas de petróleo Exxon Mobil, que recuou 0,9 por cento a 85,86 dólares, e Chevron, que teve desvalorização de 1,1 por cento para 105,89, também pesaram sobre a média das blue-chips.

O setor de matérias-primas do S&P 500, que caiu 1,5 por cento, liderou o declínio do mercado amplo, seguido pelo setor de energia, que caiu 1,2 por cento. Todos os setores do S&P 500 fecharam em baixas, exceto pelo setor financeiro.

Apesar do declínio, a habilidade do S&P em manter o nível de 1.400 foi um sinal de que a tendência positiva do mercado ainda está presente, disse Jim Paulsen, vice-presidente de investimentos no Wells Capital Management.

Tudo o que sabemos sobre:
WALLSTFECHA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.