Matheus Lombardi/XP
Matheus Lombardi/XP

XP Investimentos fecha 2021 com lucro líquido de R$ 4 bi, salto de 76%

Os resultados divulgados nesta terça-feira, 8, ainda não trazem dados sobre a aquisição minoritária na casa de análise Suno e a compra do Banco Modal

Redação, O Estado de S.Paulo

08 de fevereiro de 2022 | 18h17

A XP Investimentos fechou o ano de 2021 com lucro líquido ajustado de R$ 4 bilhões de reais, 76% a mais do que em 2020. No quarto trimestre do ano passado, entre outubro e dezembro, a empresa teve lucro de R$ 1 bilhão, alta de 51% no mesmo período no ano anterior. A receita líquida da empresa subiu 48%, atingindo R$ 12 bilhões.

O número de clientes também subiu, indo de 2,7 milhões para 3,4 milhões em 2021 — aumento de 23%. Já os agentes autônomos de investimentos passaram de 3.724 em 2020 para 4.409 no fim de 2021, um aumento de 18%. A quantia de ativos sob gestão no quatro trimestre subiu 23% no ano e chegou a R$ 815 bilhões. 

Os resultados divulgados nesta terça-feira, 8, ainda não trazem dados sobre a aquisição minoritária na casa de análise Suno e a compra do Banco Modal — ambas operações realizadas em janeiro deste ano. 

"2021 foi mais um capítulo importante na nossa história. Em Investimentos, nosso core business, expandimos em ritmo acelerado, atingindo 815 bilhões em Ativos sob Custódia e 3,4 milhões de clientes ativos em dezembro. Em paralelo, a nossa jornada rumo a uma experiência cada vez mais completa para nossos clientes também evoluiu significativamente com serviços transacionais, conta e cartão, e outras verticais relevantes como Previdência, Crédito, Seguros e Empresas, todas superando as nossas metas audaciosas", afirmou, em nota, Thiago Maffra, CEO da XP Investimentos.

Entre os novos negócios, especificamente relacionados à operação do banco, a XP informou que o crédito contratado por cartões somou R$ 86 milhões ao final do quarto trimestre, um crescimento de 60% frente ao terceiro trimestre. 

A carteira de crédito atingiu R$ 46 milhões no quarto trimestre, expandindo 296% frente ao mesmo trimestre de 2020 e 65% em relação ao terceiro trimestre. No ano de 2021, a carteira de crédito somava R$ 116 milhões. Em seguros, negócio que a XP deve focar esforços, a carteira ainda é pequena e somava ao final de 2021, R$ 60 milhões, representando alta de 39% frente a 2020.

A empresa informou não estar preocupada com um impacto negativo nos seus negócios com o aumento da taxa básica de juros, Selic, em 2022. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.