Zona do euro precisa acabar com incerteza sobre ajuda à Grécia, diz FMI

Fundo Monetário Internacional afirma que região necessita descrobrir, urgentemente, como envolver credores privados no novo pacote de ajuda ao país

Clarissa Mangueira, da Agência Estado,

19 de julho de 2011 | 13h28

A zona do euro precisa urgentemente descobrir como envolver os credores privados no novo pacote de ajuda à Grécia, afirmou o Fundo Monetário Internacional (FMI). "Há diferentes maneiras para isso ser resolvido, mas o ponto principal é tirar essa incerteza da mesa", afirmou o diretor da divisão para política da zona do euro do FMI, Luc Everaert, numa teleconferência para apresentar uma revisão anual da economia da região.

Os líderes da zona do euro realizarão uma cúpula de emergência na quinta-feira, em Bruxelas, para resolver a questão de quem deve pagar para manter a Grécia à tona, enquanto o país tentar equilibrar suas finanças públicas. Os ministros das Finanças da região concordaram no início deste mês em se concentrarem mais para trazer a dívida da Grécia para um nível "sustentável", uma linguagem que os analistas interpretaram como uma sinalização de uma redução do montante total da dívida em circulação.

No entanto, os governos ainda não encontraram uma forma de fazer isso sem suscitar um rating de "default" ou "default seletivo" das agências de classificação de risco. O Banco Central Europeu (BCE) diz que, em tal cenário, deixaria de aceitar a dívida grega como garantia dos empréstimos, uma ação que faria com que grande parte do sistema bancário grego entrasse em colapso.

Everaert e o consultor sênior do Departamento de Revisão de Estratégia e Política do FMI, AasimHusain, afirmaram que a União Europeia precisará provavelmente elevar a capacidade de empréstimo de seu atual veículo de socorro - a Linha de Estabilidade Financeira Europeia (EFSF, na sigla em inglês) de € 440 bilhões. As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.