Zona do euro sai da recessão mais longa do pós-guerra

PIB dos países do bloco cresceu 0,3% no 2º trimestre; o resultado marcou a expansão trimestral mais acelerada desde os primeiros três meses de 2011

Agência Estado,

14 de agosto de 2013 | 07h21

A economia da zona do euro saiu da recessão mais longa do pós-guerra no segundo trimestre de 2013 com uma expansão mais forte do que a esperada. A agência oficial de estatísticas da União Europeia, Eurostat, informou nesta quarta-feira que o Produto Interno Bruto combinado dos 17 membros do bloco cresceu 0,3% no segundo trimestre em comparação com o primeiro, contudo teve uma contração de 0,7% ante o segundo trimestre de 2012.

O resultado marcou a expansão trimestral mais acelerada desde os primeiros três meses de 2011.

A mediana das previsões de 19 economistas consultados pelo The Wall Street Journal na semana passada havia mostrado uma expansão de 0,2% na comparação trimestral e uma queda de 0,8% no ano.

O retorno ao crescimento da zona euro depois de seis trimestres seguidos de contração foi impulsionado pela Alemanha, a maior e mais forte economia do bloco. Contra as expectativas de muitos economistas, a economia francesa também desempenhou o seu papel. Mas uma surpresa ainda maior foi Portugal, onde a atividade econômica avançou 1,1% no trimestre - a maior taxa de crescimento registrada na Europa.

As economias da Alemanha, Áustria, Estônia, Bélgica, Eslováquia e Finlândia também mostraram expansão no trimestre. Por outro lado, as economias de Itália, Espanha e Holanda tiveram contração, mas de forma menos acentuada do que no primeiro trimestre. A economia do Chipre, mais uma vez experimentou o maior declínio, ao registrar uma queda de 1,4% no PIB, após um recuo de 1,7% no primeiro trimestre.

Alemanha

A economia da Alemanha saiu da recessão no segundo trimestre de 2013, impulsionada pela forte demanda interna e pela reconstrução dos estoques. Na comparação com o mesmo período do ano passado, a economia francesa cresceu 0,3% entre abril e junho de 2013.

O produto interno bruto (PIB) da segunda maior economia da zona do euro foi de 0,5% no segundo trimestre em relação aos três primeiros meses deste ano. As informações foram divulgadas pela agência de estatística francesa Insee.

A expansão no segundo trimestre ocorre depois de dois semestres consecutivos de contração econômica. Com o avanço registrado, a economia do país saiu da recessão. Os dados relativos ao PIB divulgados nesta quarta-feira representam uma mudança de tendência.

Os gastos dos consumidores, que representa mais da metade do PIB francês - subiu 0,4% no segundo trimestre em relação ao primeiro trimestre deste ano. Ainda assim, o investimento das empresas não financeiras continua em tendência de queda, recuando 0,1% no segundo trimestre em relação ao trimestre imediatamente anterior.

França

A economia da França saiu da recessão no segundo trimestre de 2013, impulsionada pela forte demanda interna e pela reconstrução dos estoques. Na comparação com o mesmo período do ano passado, a economia francesa cresceu 0,3% entre abril e junho de 2013.

O produto interno bruto (PIB) da segunda maior economia da zona do euro foi de 0,5% no segundo trimestre em relação aos três primeiros meses deste ano. As informações foram divulgadas pela agência de estatística francesa Insee.

A expansão no segundo trimestre ocorre depois de dois semestres consecutivos de contração econômica. Com o avanço registrado, a economia do país saiu da recessão. Os dados relativos ao PIB divulgados nesta quarta-feira representam uma mudança de tendência.

Os gastos dos consumidores, que representa mais da metade do PIB francês - subiu 0,4% no segundo trimestre em relação ao primeiro trimestre deste ano. Ainda assim, o investimento das empresas não financeiras continua em tendência de queda, recuando 0,1% no segundo trimestre em relação ao trimestre imediatamente anterior.

Fonte: Dow Jones Newswires.

 

Tudo o que sabemos sobre:
europapib

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.