Animal, o presente de natal que precisa ter um futuro garantido

Este conteúdo é uma comunicação empresarial

Por DINO DIVULGADOR DE NOTÍCIAS

15 Dezembro 2016 | 13h59

São Paulo - SP--(DINO - 15 dez, 2016) - No dia 25 de dezembro é comemorado o Natal. Nesta data muitos pais pretendem presentear seus filhos com um animal de estimação, mas é preciso tomar alguns cuidados, para que esta escolha não se transforme num problema para a família e, principalmente, para o animal.

No processo de educação, os pais devem ter a preocupação de ensinar a criança a ver o animal como um amigo, que precisa ser protegido dentro e fora de casa, e não como brinquedo. "O contato com os animais proporciona uma aproximação da criança com o mundo natural, desenvolvendo o sentimento de respeito a todas as formas de vida", orienta Vininha F. Carvalho, editora da Revista Ecotour News ( www.revistaecotour.tur.br)..

Até os quatro anos a criança vê o animal como um objeto, por isso é preciso que os pais mostrem a ela que os animais respiram, tem fome, sede, sentem dor, amam e jamais poderão ser abandonados.

A partir dos dez anos é possível confiar os cuidados necessários à saúde do animal, sem que haja perigo de maus tratos, desde que sejam orientados corretamente.

"Os pais e educadores devem estimular as crianças a valorizarem as boas ações em prol dos animais. É preciso despertar o interesse na criança para trazer consigo um compromisso ético para com o meio em que vive", enfatiza Vininha F. Carvalho.

Animais não são mercadorias, mas seres dotados de sentimentos, que têm necessidades de serem amados e capacidade de amar incondicionalmente, por isto devem ser respeitados e, jamais tratados como objetos, mas considerados como amigos muito fiéis.

Para quem deseja presentear um amigo adulto com um filhote, é muito importante consultar se o futuro tutor deseja realmente ter, cuidar e se responsabilizar pelo animal. Entre os cães e gatos, existem inúmeras raças, cada uma tem sua peculiaridade e isto deve ser analisado na hora da aquisição.

Alguns se adaptam melhor às pessoas ativas e outras são excelentes para companhia, podendo permanecer ao lado do dono simplesmente observando-o.

A posse de um animal envolve preparo, além de condições econômica e física para a função. Assim, antes de tomar essa decisão, é preciso ter consciência de suas necessidades primárias como espaço, alimentação, lazer e conhecer o comportamento da espécie.

"A posse responsável requer conscientização do tutor sobre a guarda, ressaltando que ter um animal de estimação é oferecer espaço em sua vida para um ser muito especial, que poderá permanecer ao seu lado por mais de dez anos", conclui Vininha F. Carvalho.

A compra impulsiva de certas pessoas e a falta de orientação, associadas aos maus criadores resultam no aumento do número de animais abandonados ou sujeitos a enormes sofrimentos. Por isto, antes de presentear alguém como um animal, reflita se este presente terá um futuro garantido.

Website: http://www.revistaecotour.tur.br

Mais conteúdo sobre:
ReleasesSão PauloNatal

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.