Cinco dicas para escolher um emissor de Nota Fiscal eletrônica

Este conteúdo é uma comunicação empresarial

Por DINO DIVULGADOR DE NOTÍCIAS

21 de dezembro de 2016 | 16h56

São Paulo, SP--(DINO - 21 dez, 2016) - A corrida para encontrar um novo emissor de Nota Fiscal eletrônica (NF-e) está mais acirrada neste mês de dezembro. Isso porque o sistema oferecido pela Secretaria da Fazenda (Sefaz) será descontinuado em 1º de janeiro de 2017. Dessa forma, cerca de três milhões de empresários brasileiros que ainda utilizam esse sistema têm poucos dias para escolher um novo software que emita o documento fiscal.

Como há pouco tempo para buscar um novo emissor de NF-e, é importante que os empresários atentem para alguns pontos relevantes na escolha do software. Confira cinco dicas para escolher um bom emissor de Nota Fiscal eletrônica e aproveitar para informatizar a gestão da empresa.

Escolha um emissor de Nota Fiscal de uma empresa que ofereça suporte

Uma empresa séria deve oferecer soluções que facilitem o dia a dia dos seus clientes. Isso inclui disponibilizar uma equipe de suporte apta a ajudar e orientar os usuários, já que nem todo empresário está familiarizado com um sistema mais completo do que o da Sefaz.

O suporte consiste no oferecimento de apoio ao usuário, qualquer que seja sua necessidade, dúvida ou dificuldade em relação ao emissor de NF-e ou outra funcionalidade do sistema. Caso ocorra algum problema de configuração, por exemplo, o suporte irá orientar o cliente a resolver o problema e conseguir os melhores resultados possíveis.

Para a loja virtual ShopB, por exemplo, o suporte foi um dos filtros utilizados durante a escolha do sistema de gestão. "Escolhemos o Bling, pois é uma ferramenta simples de se mexer, tem um manual muito bom para tirar algumas dúvidas e, quando necessário, o suporte responde rápido com soluções imediatas", conta Leonardo Pires, do setor fiscal da ShopB.

Aposte em um emissor de Nota Fiscal em nuvem

Uma solução acessível e segura é apostar em um software com armazenamento em nuvem. Emitir NF-e por um sistema online é mais ágil, pois dura cerca de 1/3 do tempo gasto com o emissor da Sefaz, além do cálculo automático de impostos com base em predefinições e o cadastro de produtos e contatos, tornando o processo mais dinâmico e assertivo. "Sempre explico sobre as vantagens dos dados armazenados em nuvem. O TiraNota, por exemplo, é um sistema focado na emissão de NF-e, mas com alguns controles básicos que já facilitam as etapas de faturamento", conta o gerente técnico da empresa de soluções empresariais CorporateIT, Roger Stevens Spies.

Outra vantagem de um sistema em nuvem é a segurança. Para evitar vazamento de dados e ataques de hacker, por exemplo, um dos mecanismos oferecidos é o uso de criptografia para comunicação com os servidores, garantindo o arquivamento seguro de senhas.

Prefira zero custo de setup

Todo empresário busca reduzir custos e aumentar a produtividade, certo? Então o ideal é escolher um sistema de gestão ou emissor de Nota Fiscal eletrônica que não cobre pela instalação. Esse diferencial é mais comum em sistemas em nuvem, já que não é preciso instalar nenhum programa no computador da empresa ? o acesso é feito por meio de login e senha diretamente na página do software.

Aproveite a extensão mobile

Os gestores nem sempre têm um computador por perto para acompanhar o andamento da empresa. Por isso, a extensão mobile é um recurso que permite ter acesso às mesmas ferramentas do sistema na palma das mãos, até mesmo fora do ambiente de trabalho, via smartphone ou tablet.

"Muitas vezes, tive que acessar o sistema online com 4G para consultar algum item. Esse é um recurso muito importante na agilidade que precisamos ter", ressalta Felipe Alcará, diretor da Funilaria Dambrós, que utiliza os recursos do Bling diariamente para criação de cadastros e controle de finanças e vendas.

Saiba mais sobre o Bling em: https://www.bling.com.br/home#servicos

Soluções agregadas beneficiam a empresa

Existem softwares que vão além da emissão de NF-e. Nesse sentido, o fim do emissor da Sefaz é uma oportunidade para pequenos e médios empresários aderirem a um sistema que, além de suprir essa necessidade, disponibiliza soluções agregadas para otimizar a gestão empresarial, reduzindo custos e organizando o dia a dia do negócio.

Para Sidney Zynger, sócio do Bling, os empresários vão perceber o quão prático é emitir NF-e por um sistema próprio. "Um software especializado garante muito mais agilidade e precisão na emissão de NF-e, simplificando uma tarefa que não deve levar mais do que poucos minutos. E os que optarem por um sistema de gestão ainda vão se beneficiar de diversas ferramentas que ajudam a poupar tempo e ganhar dinheiro", explica.

Alternativas eficientes

Há cinco anos no mercado, o TiraNota está disponível no plano Free, indicado para pequenas empresas, no qual emite NF-e de saída, com certificado A1, e tem como principal vantagem o cadastro de produtos e contatos, além do cálculo automático de impostos com base em predefinições. Já o plano Plus emite certificados A1 e A3 com armazenagem de notas de entrada/saída, importa NF-e de entrada para cadastro automático de produtos, envia notas por e-mail para cliente e contador e possui alguns relatórios gerenciais.

Conheça o TiraNota aqui: https://tiranota.com.br/login.php

E para os que desejam soluções completas, há o ERP Bling, sistema de gestão em nuvem focado em pequenas e médias empresas. Além de ter emissor de NF-e, disponibiliza módulos de serviços com cobranças recorrentes, emissão de boletos, controle de estoque, fluxo de caixa, cadastro de clientes e fornecedores e integração com plataformas de e-commerce, marketplaces e empresas de logística, como os Correios.

Conclusão

O Bling é um sistema de gestão em nuvem, não tem custo de setup, disponibiliza suporte em horário comercial, oferece extensão mobile e soluções agregadas, ou seja, uma alternativa com ótimo custo x benefício para substituir o emissor da Sefaz. E os clientes podem experimentar qualquer plano do sistema por 30 dias grátis.

Website: https://www.bling.com.br/home

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.