Curso capacita gestores para "tirarem obras do papel"

Este conteúdo é uma comunicação empresarial

Por DINO DIVULGADOR DE NOTÍCIAS

02 de janeiro de 2017 | 11h52

Brasília, DF--(DINO - 02 jan, 2017) - As obras que literalmente não saem do papel produzem uma das realidades mais perversas no Brasil. Segundo levantamento no Tribunal de Contas da União ? TCU, o ano de 2017 começa com mais de cinco mil obras paralisadas no País.

A maioria dos prefeitos que assumiram seus mandatos no último dia 1°, receberam obras que a muito estão paralisadas ou, sequer, foram iniciadas. Os custos decorrentes de retomadas, atualizações e reprogramações serão absorvidos pela gestão municipal, exigindo aditivos de preços que remetem, novamente, a infindáveis trâmites burocráticos que atrasam a benfeitoria e oneram as contrapartidas das prefeituras, ou seja, menos dinheiro em caixa.

Diante desse cenário a ABM ? Associação Brasileira dos Municípios, entidade que representa os municípios brasileiros, aposta na formação dos gestores municipais para diminuir gradativamente essa estatística. O presidente da ABM, Eduardo Tadeu, explica que "Obra parada é obra cara, e a conta sempre sobra para os Prefeitos".

O curso "Gestão de Contratos de Repasse e Processos Habitacionais operacionalizados pela CAIXA", concebido e desenvolvido pela entidade e técnicos do órgão, oferece elementos atuais, práticos e objetivos a profissionais que auxiliam ou assessoram administrações públicas, ou aos próprios Prefeitos e Prefeitas que primem por dominar a funcionalidade destes processos.

A reprogramação e aprovação dos projetos dessas obras, por exemplo, assunto urgente dos mandatos que se iniciam, integra o conteúdo da capacitação, que irá abordar os principais aspectos técnicos a serem observados na operacionalização dos contratos junto a CAIXA.

As inscrições são limitadas, estão abertas e podem ser feitas através do site http://cursosabm.com.

Website: http://www.cursosabm.com

Tudo o que sabemos sobre:
ReleasesBrasíliaBrasilTCU

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.