Diário Oficial da Cidade não terá mais versão impressa em São Paulo

Este conteúdo é uma comunicação empresarial

Por DINO DIVULGADOR DE NOTÍCIAS

16 de março de 2017 | 11h58

São Paulo - SP--(DINO - 15 mar, 2017) - No início do mês, a Prefeitura de São Paulo deixou de publicar, as edições impressas do Diário Oficial da Cidade. O jornal que reúne todas as decisões e ações dos poderes Executivo e Legislativo da capital, além do Tribunal de Contas do Município (TCM) poderá ser visto apenas de maneira online, no site da Imprensa Oficial do Estado, que publica as edições digitais do Diário desde 2002.A decisão foi anunciada pelo prefeito da cidade de São Paulo, João Doria (PSDB), nas redes sociais. De acordo com Doria, o fim da edição impressa do Diário Oficial da Cidade vai gerar a economia de cerca de R$ 1,5 milhão de reais por ano. No vídeo postado, o prefeito ainda mostrou um site produzido pela Universidade de São Paulo (USP), chamado Diário Livre, que está no ar desde 2015 e tem como proposta fazer buscas no histórico das edições do impresso de maneira fácil. O vídeo com cerca de um minuto, onde João Doria fala sobre a iniciativa da prefeitura possui mais de 172 mil interações e mais de 40 mil compartilhamentos no Facebook.Desde que foi eleito, o prefeito João Doria tem anunciado projetos de mudanças que geraram diferentes impressões. Dória anunciou cortes de programas, cargos e secretarias, além de possíveis privatizações. Entre as mudanças anunciadas estão a extinção de sete secretarias (Promoção da Igualdade Racial, Políticas para as Mulheres, Licenciamento, Serviços, Comunicação, Controladoria Geral do Município e Relações Governamentais) e a criação de duas: Tecnologia e Inovação e Desestatização e Parcerias. Ao todo, serão 22 secretarias. Algumas das secretarias extintas terão suas pastas incorporadas nas secretarias que foram mantidas. As medidas previstas e anunciadas têm como objetivo, segundo a equipe de transição de governo, cortar gastos no cenário de crise econômica. A economia gerada com extinção das secretarias anunciadas representa menos de 0,5% do orçamento da cidade.João Doria também exonerou quase 600 funcionários contratados sem concurso durante a gestão de seu antecessor, o petista Fernando Haddad, antes de completar duas semanas no cargo. A meta do novo prefeito é reduzir 30% o total de funcionários comissionados na administração, hoje são cerca de seis mil. A medida visa enxugar a máquina pública, o que permitirá melhorar a qualidade dos serviços prestados ao cidadão paulistano.Também foi anunciado, no primeiro dia útil do novo governo, o encerramento de contratos com fornecedores e prestadores de serviço. Todos eles, somados, representam uma economia de 15% no total gasto com esse tipo de contratos. Ficaram fora dessa conta as áreas de saúde, educação e transporte, que não foram atingidas pelos cortes.Sobre a decisão de extinguir a versão impressa do Diário Oficial da Cidade, o prefeito disse que a medida vai provocar economia de papel, sustentabilidade e agilidade nos processos. Segundo a prefeitura, no site da Imprensa Oficial, o jornal continuará a ser exibido com a mesma diagramação da edição impressa, sem alterações. As publicações expedidas do Diário Oficial da Cidade e no DOU também podem ser acompanhadas no portal E-DOU. O E-DOU possui sistema de busca e alerta de publicações, disponibilizado gratuitamente e com agilidade.

Tudo o que sabemos sobre:
Releases

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.