DSM e Evonik anunciam joint venture em nutrição animal

Este conteúdo é uma comunicação empresarial

Por DINO DIVULGADOR DE NOTÍCIAS

16 de março de 2017 | 00h34

São Paulo, SP--(DINO - 09 mar, 2017) - A Royal DSM e a Evonik anunciaram hoje a intenção de estabelecer uma joint venture para produzir Ômega-3 a partir de algas marinhas, voltado para a indústria de nutrição animal. O inovador processo permitirá, pela primeira fez, produzir o ácido graxo voltado exclusivamente para a nutrição animal sem utilizar óleo de peixe, atualmente produzido a partir da pesca marinha e, portando, considerado um recurso finito.

A fonte de Ômega-3 alternativa da DSM e Evonik é a primeira a oferecer em uma única solução o EPA e o DHA, que serão inicialmente destinados para a aquicultura do Salmão e para a indústria Pet. Juntas, as duas companhias construirão uma fábrica nos Estados Unidos para produção desta solução em escala comercial.

A DSM Produtos Nutricionais e a Evonik Nutrition&Care terão uma participação de 50% cada na nova empresa e serão coproprietárias da unidade de produção que será construída em uma área da Evonik nos EUA, com expectativa de entrar em operação em 2019. A joint venture prevê o investimento de US$ 200 milhões na fábrica (US$ 100 milhões de cada parte) durante os próximos dois anos.

A capacidade de produção anual será correspondente a 15% da atual demanda da indústria de aquicultura de Salmão por DHA e EPA. O nome da nova empresa será Veramaris, que terá sede na Holanda e será instituída após as habituais aprovações dos órgãos reguladores.

O óleo de algas altamente concentrado da Evonik e da DSM é uma fonte de alto valor e pureza, que permitirá à indústria de nutrição animal acompanhar a crescente demanda por esses dois tipos de ácidos graxos essenciais, sem pôr em risco o estoque de peixes e contribuindo para uma nutrição animal saudável, bem como para o equilíbrio ecológico e biodiversidade dos oceanos.

Desenvolvimento conjunto entre a DSM e a Evonik

A joint venture segue o acordo de desenvolvimento conjunto, assinado em julho de 2015. Pelo acordo, a Evonik e a DSM trabalharam em conjunto no desenvolvimento de produtos e no processo de fabricação e exploram oportunidades de comercialização. Ambas obtiveram resultados positivos no desenvolvimento do produto, trabalhando extensivamente com toda a cadeia de valor, incluindo produtores de peixe, piscicultores e varejistas.

As empresas produziram com sucesso quantidades significativas de óleo de algas na fábrica da DSM em Kingstree, Carolina do Sul (Estados Unidos). Os clientes serão capazes de receber quantidades consideráveis do produto para o desenvolvimento do mercado enquanto a construção da nova fábrica está em andamento.

O desenvolvimento bem-sucedido de produtos e processos só foi possível graças às competências complementares que Evonik e DSM trazem para o projeto: a DSM tem experiência no cultivo de organismos marinhos, incluindo algas e capacidades biotecnológicas estabelecidas há muito tempo no desenvolvimento e nas operações. Já a Evonik tem foco no desenvolvimento de processos de biotecnologia industrial e alta competitividade na produção em larga escala de aminoácidos fermentativos.

Avanço na inovação para aquicultura, pet food e outros

O óleo de algas da DSM e da Evonik representa, pela primeira vez, que a criação de salmão sem a utilização de recursos à base de peixes é algo realista. Ao substituir o óleo de peixe pela nova alternativa de EPA e DHA, a relação peixe por peixe pode ser reduzida significativamente. A nova alternativa permitirá ao setor da aquicultura continuar a crescer de forma sustentável.

A produção mundial de óleo de peixe é de aproximadamente 1 milhão de toneladas por ano. A maior parte do óleo de peixe é utilizada na aquicultura, principalmente para espécies de peixes ricos em gordura, como o salmão.

As reservas limitadas de peixes selvagens restringem a quantidade de óleo de peixe disponível e, portanto, o crescimento dessa indústria. Atualmente, a aquicultura utiliza cerca de 75% da produção anual de óleo de peixe. O óleo de algas da Evonik e da DSM oferecerá uma alternativa não-pesqueira sustentável.

Assim como os seres humanos, os animais também precisam de sua ingestão diária de ácidos graxos essenciais poli-insaturados de cadeia longa em sua dieta para garantir um crescimento saudável. Até agora, esses ácidos graxos foram adicionados à alimentação na aquicultura e alimentos para animais quase exclusivamente a partir de fontes marinhas, como óleo de peixe e farinha de peixe.

Como o novo óleo de algas pode ser aplicado na produção de alimentos, da mesma forma que o óleo de peixe, ele pode ser facilmente introduzido pelos produtores de alimentos para animais e Pets.

A DSM e a Evonik também estão buscando aplicações de seu óleo de algas para outras espécies de animais aquáticos e terrestres.

Ácidos graxos Ômega-3 EPA e DHA

Os ácidos graxos Ômega-3 são uma família de gorduras poli-insaturadas, incluindo ácido eicosapentaenóico (EPA) e ácido docosa-hexaenóico (DHA). Por não serem produzidos naturalmente pelo corpo humano, o Ômega-3 deve ser obtido a partir da dieta ou por meio de suplementação.

Um grande e crescente número de evidências mostra que níveis suficientes de Ômega-3 EPA e DHA suportam a saúde do cérebro, dos olhos e do coração em várias espécies, incluindo seres humanos.

Pesquisas sugerem que o Omega-3 EPA e o DHA podem diminuir os níveis de triglicerídeos (lipídios) no sangue e podem ter efeitos positivos sobre a função arterial. Comer frutos do mar duas vezes por semana é recomendado por várias autoridades de saúde.

Em um estudo avaliando os riscos e benefícios da ingestão de peixe publicado no Journal of American Medical Association (JAMA), os pesquisadores descobriram que entre uma e duas porções de peixe por semana, especialmente peixes ricos em Ômega-3 EPA e DHA, reduziu o risco de doença coronária morte em 36% e mortalidade total em 17%.

Website: http://www.dsm.com/latam

Tudo o que sabemos sobre:
Releases

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.