Especialista revela como ter sucesso na vida profissional sem atropelar a família

Presidente Prudente, São Paulo. --(DINO - 17 fev, 2017) - A busca de equilíbrio é o menu mais pedido da atualidade.

Por DINO DIVULGADOR DE NOTÍCIAS

17 de fevereiro de 2017 | 17h52

As responsabilidades, obrigações, metas e a falta de tempo são resultados de uma vida disfuncional.

No mesmo momento em que as pessoas querem ter uma vida profissional satisfatória há uma necessidade de contentamento com a área pessoal.

Para o especialista, Xando Natsume, quando essa rota está desajustada nós acabamos por deixar de lado valores fundamentais.

"Passamos por cima das pessoas que estão mais próximas: da família; dos filhos; da esposa; do marido; dos amigos", esclarece.

Ele explica no vídeo que gravou falando sobre o assunto que, ainda que há pelo menos dois fatores que contribuem para essa falta de equilíbrio: competência e energia, para executar as tarefas.

Isso porque o resultado final sempre tem que ser a felicidade, a alegria de fazer tudo que realizamos.

CLIQUE AQUI PARA ASSISTIR AO VÍDEO!

James Hunter, autor do Best-Seller "O monge e o Executivo" ilustra muito bem esse cenário.

O lado monge é a vida pessoal enquanto o lado executivo é a vida profissional.

E o desafio é como alcançar resultados cada vez melhores sem deixar de conservar os princípios que são fundamentais.

Esses valores geralmente são encontrados dentro de casa e dentro de nós mesmos.

"Muitas pessoas se dedicam apenas a um lado e isso é o estopim para que elas se tornem "capengas" e vazias. Ou tem grandes resultados financeiros e esquecem-se da família, ou são ótimos na área familiar e não tem produtividade profissional", afirma o especialista.

Sendo assim, fazer uma análise sincera e decidir mudar é o fundamental.

O importante é dar o primeiro passo rumo a esse equilíbrio e sair da corda bamba que gera a instabilidade e a insegurança.

Website: http://treinamentoomongeeoexecutivo.com

Tudo o que sabemos sobre:
Releases

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.