Governo reajusta em 6,58% aposentadorias acima do mínimo

São Paulo - SP--(DINO - 09 mar, 2017) - Portaria expedida no Diário Oficial da União publicou um reajuste de 6,58% para os aposentados e pensionistas do INSS (Instituto Nacional do Seguro Social) que possuem benefícios maiores do que um salário mínimo.

Por DINO DIVULGADOR DE NOTÍCIAS

09 de março de 2017 | 18h54

O reajuste usa como referência o Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC), divulgado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O índice é usado desde o ano de 2003 para definir o reajuste das aposentadorias. Com essa mudança, o teto da Providência Social passa a ser de R$ 5.531,31, antes do reajuste, o teto era de R$ 5.189,82. Em 2016, o reajuste dos beneficiados do INSS havia sido de 11,28%, enquanto o salário mínimo teve aumento de 11,68%.

Em função do Índice Nacional de Preços ao Consumidor, a correção desses benefícios ficará acima do reajuste do salário mínimo. Desde 1° de janeiro de 2017, o mínimo é R$ 937, ou seja, 6,48% maior do que o anterior que era de R$ 880. A partir do pagamento depositado em fevereiro, os aposentados e pensionistas do INSS já receberão os valores com o reajuste de 6,58%, percentual que corresponde ao INPC acumulado de janeiro a dezembro de 2016.

O índice é menor do que foi inicialmente previsto pela gestão do presidente Michel Temer (PMDB) no orçamento para 2017, que era de 7,5%, e bem inferior aos 11,28% pagos no ano de 2016. Apesar da grande diferença entre o atual reajuste e o do ano passado, quem ganha mais de um salário ainda não terá um aumento significativo, acima da inflação. Com o reajuste, um aposentado que ganha R$ 2.000 passa a receber R$ 2.131,60.

Pente-fino nos benefícios

O Ministério da Fazenda também publicou uma portaria estabelecendo a revisão dos benefícios do INSS de quem é aposentado por invalidez há mais de dois anos. A convocação não inclui os aposentados por invalidez a partir de 60 anos de idade que não tenham retornado à atividade.

As perícias serão feitas primeiro nos benefícios de auxílio-doença e, em seguida, nas aposentadorias por invalidez. Serão chamados primeiro quem recebe auxílio-doença sem data de suspensão do benefício. Em seguida, a ordem de convocação para todos os benefícios priorizará os pagamentos mantidos há mais tempo e a idade do segurado, da menor para a maior.

Os médicos peritos receberão bônus por perícia realizada. As agências da Previdência Social poderão agendar até quatro perícias médicas por dia e por perito médico previdenciário que tiver aderido à realização das perícias, a que se refere o art. 1º nos termos definidos, em ato do Presidente do INSS. Também poderão ser feitos mutirões com até dez perícias em dias úteis e vinte em dias não úteis.

Os aposentados e pensionistas com dúvidas sobre os reajustes e a convocação de novas perícias poderão buscar orientação com assessorias especializadas. A Brasprevi , por exemplo, é uma assessoria jurídica especializada que atende a todos os contribuintes brasileiros sobre todos os tipos de aposentadoria e dá suporte à concessão de benefícios previdenciários, na obtenção de auxílios e aposentadorias junto a Previdência Social.

Tudo o que sabemos sobre:
Releases

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.