Marça é uma feliz mãe de trigêmeas aos 51 anos, graças à Reprodução Assistida

São Paulo--(DINO - 22 fev, 2017) - Quem vê Marça (51 anos), Humberto (60) e as trigêmeas Valentina, Carmen e Suelena (7 meses), percebe logo que esta é uma família feliz.

Por DINO DIVULGADOR DE NOTÍCIAS

22 de fevereiro de 2017 | 17h34

As bebezinhas sapecas e saudáveis são a prova de que o desenvolvimento das técnicas de Reprodução Assistida permite que, mesmo mulheres com mais idade, podem realizar o sonho de se tornar mães.

Os dois foram namorados apaixonados na adolescência. Depois, se separaram. Ele se casou, e ficou viúvo. Ela também se casou, mas não teve filhos, e se separou. Nas idas e vindas da vida, depois de tantos anos, Humberto César Fiori Filho, pecuarista, e a empresária Marça Maria Maciel Fiori se reencontraram, ele já com cinco filhos.

Logo, o marido percebeu o sonho da mulher em se tornar mãe, que já julgava não ser possível, por causa da idade. Mas pesquisaram as possibilidades. Foi quando procuraram a Fertility Medical Group, referência nacional quando se fala em Reprodução Assistida, unidade de Campo Grande, próximo a Miranda, onde mora o casal.

A Dra. Suely Resende recomendou, então, a "Fertilização in Vitro", onde se medica a mulher para que produza mais óvulos, que são retirados, fertilizados com o espermatozoide do companheiro e implantados no útero já como embriões.

Na primeira e na segunda tentativas, foram implantados dois embriões, mas a tão desejada gravidez não aconteceu. Na terceira, decidiram colocar três embriões.

Sabiam que, nesse caso, a chance de terem trigêmeos, caso a gestação vingasse, era muito grande.

E foi exatamente isso que aconteceu. Os três embriões vingaram, descoberta feita em um ultrassom realizado 24 dias após a realização do procedimento, quando viram e ouviram três corações batendo. "Tinha certeza que desta vez daria certo, foi uma emoção imensa", diz Marça, revelando o tão falado instinto materno.

Claro que não foi tudo um mar de rosas. A gravidez era de alto risco, o que exigiu repouso da gestante, e o parto foi prematuro, fazendo com que as bebezinhas passassem algum tempo em uma UTI neonatal.

Mas, com os avanços da Reprodução Assistida e da Medicina, tudo deu certo, e hoje eles comemoram o resultado. Uma linda nova família que vive feliz!

"Elas vão unir meus outros filhos, trouxeram cumplicidade, compartilhamento e são umas meninas lutadoras e valentes", diz o pai orgulhoso, cuja filha mais velha tem 34 anos.

"Nestes casos o atendimento médico psicológico é muito importante, neste ponto louvo o amor e atenção com que fomos tratados pela Dra. Suely e sua equipe, sempre presente com um positivismo que sempre nos protegia", ressalta Marça.

Humberto completa com muita emoção: "São coisas inesperadas que acontecem na vida, sempre trabalhei muito achando que a ausência pelo trabalho fosse justificável. Sem filhos, a Marça me perguntava se ela seria uma boa mãe. Um dia, nós resolvemos que, apesar de eu já ter cinco filhos, ela merecia a chance de ser mãe. Hoje, agradecemos sempre a Deus e a Dra. Suely e sua equipe, sempre animadas e superando todos os problemas com profissionalismo incrível".

Tudo o que sabemos sobre:
gravidezinseminação artificial

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.