Minas Gerais tem redução de 32% em ocorrências de roubos de carga

Este conteúdo é uma comunicação empresarial

Por DINO DIVULGADOR DE NOTÍCIAS

26 de dezembro de 2016 | 13h13

Belo Horizonte (MG)--(DINO - 26 dez, 2016) - Uma das maiores preocupações dos transportadores e motoristas profissionais nos últimos anos tem sido o crescente aumento no número de roubos de carga no país. No entanto, dados divulgados recentemente pela Polícia Militar de Minas Gerais (2ª Região) relatam uma redução de 32% nas ocorrências registradas entre junho e novembro de 2016 em relação ao mesmo período de 2015. A retração aparece como resultado do projeto Carga Segura da PMMG em parceria com a Federação e Sindicato das Empresas de Transportes de Carga do Estado de Minas Gerais (Fetcemg e Setcemg).

O assessor de segurança da Fetcemg e Setcemg, Ivanildo Santos, explica que o projeto Carga Segura surgiu como resultado das intensas discussões entre os transportadores e embarcadores integrantes do Grupo Técnico de Trabalho de Segurança Logística do Setcemg e a Segunda Região da Polícia Militar de Minas Gerais (2 ª RPM). "O projeto foi criado em maio e tem o objetivo de impedir o aumento do número de roubo de cargas em Belo Horizonte e Região Metropolitana e também como uma forma de alertar transportadores e motoristas de caminhão para adoção de medidas de prevenção a esse tipo de crime."

Segundo Ivanildo, desde então, o projeto tem fiscalizado, realizado blitz nos grandes corredores da Região Metropolitana e também promovido ações integradas com palestras junto aos transportadores orientando sobre os cuidados que devem ser tomados para prevenir roubos de carga. Uma das propostas do Carga Segura é setorizar o policiamento e valorizar as unidades básicas de policiamento. Diversas empresas de transportes já foram visitadas em Contagem e Betim e formados subgrupos de policiamento dessas regiões. A partir das informações coletadas por esses grupos, o comando aciona o setor de inteligência da polícia para multiplicar as ações. "A ideia é que transportadoras e motoristas funcionem como uma câmera viva de monitoramento", comenta Ivanildo.

De acordo com dados da Polícia Militar, entre maio e novembro de 2016 foram registradas 733 ocorrências relacionadas a roubos de carga no Estado de Minas Gerais, cerca de 25% da carga foi recuperada, 85 veículos e 75 armas de fogo, apreendidos e 120 pessoas foram presas. A projeção em prejuízos é de mais de R$ 150 milhões. Mas esses dados podem ser ainda maiores, segundo revela Ivanildo. "Não temos um sistema interligado nacionalmente. Muita gente que é roubado no Norte de Minas, por exemplo, deixa para fazer o registro na Bahia e essa ocorrência não chega até nós pela falta desse sistema interligado. Isso é uma falha nacional", ressalta. Atualmente, Minas Gerais está em terceiro lugar em número de roubos de carga ficando atrás de São Paulo (segundo) e Rio de Janeiro (primeiro).

Entre as cargas mais roubados estão os combustíveis, junto com os equipamentos eletrônicos, celulares, eletrodomésticos, confecção, ferro e aço, cigarro, cosméticos e outras. "O combustível é uma carga bem visada no mercado, porque tem comércio fácil e rápido. Percebemos que houve roubos de álcool anidro, diesel e gasolina neste ano. No ano de 2015, no primeiro semestre, tivemos um grande número de roubos de QAV (querosene de aviação), o que não ocorreu neste ano em nosso Estado", revela.

Existem alguns cuidados que devem ser tomados para prevenir o roubo de cargas. Um deles, de acordo com Ivanildo, é cumprir o protocolo de segurança. "Existe um protocolo de segurança que passamos para os transportadores. Junto com ele, orientamos as empresas a fazer uma boa gestão de sua frota, criar procedimentos de paradas e orientar seus motoristas quanto a local de pernoite."

Conhecer a rota e analisar os pontos de paradas seguros (pessoalmente, enviando profissionais capacitados em segurança patrimonial) são fundamentais, além de elaborar um mapa de viagem e determinar o seu cumprimento para os motoristas. Se os caminhões possuírem rastreadores, a empresa deve criar cercas eletrônicas (sistema que permite a identificação quando um veículo sai da rota traçada) quando identificar pontos de riscos no percurso da viagem.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.