#MinhaDorImporta convida as mulheres a expressarem suas dores

Este conteúdo é uma comunicação empresarial

Por DINO DIVULGADOR DE NOTÍCIAS

16 de março de 2017 | 10h06

São Paulo--(DINO - 08 mar, 2017) - "Só pode estar 'naqueles dias!'"; "Tinha que ser mulher mesmo!"; "Aqui não é lugar de mulher". Estes são alguns relatos da campanha #MinhaDorImporta (https://www.youtube.com/watch?v=Eeb3-p5-1CA&feature=youtu.be) , que chega na semana do Dia Internacional da Mulher a fim de incentivar o público feminino a compartilhar as suas dores, sejam elas físicas ou emocionais.

A iniciativa partiu da marca Buscofem, medicamento indicado para o alívio das cólicas e de outras dores menstruais, em cápsulas Liqui-Gels?, que agem duas vezes mais rápido que comprimidos. "#MinhaDorImporta é uma campanha de impacto, e ao mesmo tempo sensível, que combate um comportamento costumeiro de minimizar as mulheres, o que elas falam, fazem e sentem. Queremos que todos deem a devida importância e seriedade tanto às dores menstruais quanto às demais dores físicas e emocionais enfrentadas pelas mulheres", ressalta Ricardo Amorim, responsável pelo marketing de Buscofem no Brasil.

A campanha foi criada e desenvolvida pela agência de comunicação digital Cappuccino. "Procuramos, por meio da campanha, trazer a dor da cólica que Buscofem trata, para uma mensagem poderosa sobre todas as dores não ouvidas das mulheres. A hashtag é justamente um meio de dar voz a todas as mulheres que querem mostrar para o mundo que o que elas sentem, importa", explica Vitor Elman, vice-presidente de criação e sócio da Cappuccino Digital.

O manifesto #MinhaDorImporta foi filmado com cinco mulheres reais, que passam a mensagem de Buscofem através de suas palavras e atitudes de força e poder. São elas: Verônica, faxineira que fez sucesso na internet com seus anúncios irreverentes de emprego, e luta para conquistar seu respeito sendo quem é e fazendo o que faz; Débora, musicista, que luta para conquistar espaço num ambiente tipicamente masculino; Aline, modelo Plus Size, que quer desconstruir os padrões de beleza da sociedade; Paula, cineasta, que enfrentou um distúrbio alimentar na adolescência e hoje trabalha para dar visibilidade a este assunto; e Laiana, campeã nacional de Kung Fu, que luta para ser respeitada na prática de uma modalidade marcial normalmente realizada pelo sexo masculino.

Além do manifesto, a campanha contará com outros vídeos individuais, que serão divulgados no Facebook de Buscofem, sobre as histórias dessas mulheres. São conteúdos curtos e simples, e que contam um pouquinho mais sobre cada uma.

Buscofem acredita que o bem-estar das suas consumidoras só pode ser pleno num mundo com mais respeito, compreensão e empatia para com todas as mulheres. E você? Se identificou com o manifesto? Compartilhe essa ideia para que outras mulheres também se empoderem, se expressem e se defendam.

Website: https://www.facebook.com/Buscofem/

Tudo o que sabemos sobre:
Releases

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.