Mulher Maravilha chega aos 75 anos como exemplo de empoderamento feminino

Este conteúdo é uma comunicação empresarial

Por DINO DIVULGADOR DE NOTÍCIAS

21 de dezembro de 2016 | 11h06

Macaé - RJ--(DINO - 21 dez, 2016) - Essa história de empoderamento não é tão nova assim. Desde 1941, ano em que a personagem foi criada, a Mulher-Maravilha carregou o status de ícone e lutava para que no meio de tantos homens heróis, ela fosse reconhecida não somente pela força, mas pelo poder que mulheres também podem ter.

Com qualidades que não se limitam a beleza do corpo, a cor do cabelo e nem mesmo ao perfeito figurino de uma mulher muito poderosa, ela saiu em busca do seu lugar na ficção e se tornou a "BFF - Best Friend Forever" de quem está há muito tempo lutando pela mesma causa.

Quando o psicólogo e escritor William Moulton Marston fez nascer uma das primeiras super-heroínas a alcançar o estrelato nos quadrinhos, a proposta veio recheada de polêmicas e controvérsias. Como poderia uma mulher integrar a Trindade dos maiores "heróis" da DC Comics? E mais, teria ela a responsabilidade de se colocar entre o Superman - a voz da razão, e o Batman - o obstinado que não mede esforços para alcançar seus objetivos? Foram nos duelos históricos, que mais parecem nossa realidade, que a Mulher-Maravilha chamou para si a responsabilidade e agiu como mediadora, sempre em busca da melhor solução para os conflitos do universo DC.

E assim, como muitas mulheres comuns, a heroína acumula em sua carreira diversos exemplos de boas histórias. Foi vivendo em um mundo totalmente masculino que ela consegui se manter e fazer aumentar nossa admiração por ela. Ela nem precisava ser linda ou ter superpoderes, já teria saído vitoriosa se sua luta fosse apenas contra o machismo e incredulidade de que ela chegaria tão longe.

E como não há momento melhor para discutirmos sobre a igualdade de gênero, investir em uma personagem como a Mulher-Maravilha está dando lucro. E agora, aproveitando a onda de heróis nas telonas, ela tem sua empreitada solo garantida para junho de 2017. A semideusa grega fará sua estreia no cinema com a atriz israelense Gal Gadot no papel da filha de Hipólita. Apesar das críticas à escolha da atriz, o trailer exibido durante a San Diego Comic-Con teve ótima recepção.

Website: http://dellamagazine.com.br

Mais conteúdo sobre:
ReleasesSupermanBatman

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.