No mês de combate ao câncer especialista alerta sobre um tipo de tumor pouco falado

São Paulo--(DINO - 08 fev, 2017) - Em fevereiro o mundo chama atenção da população para o Dia Mundial do Câncer, o World Cancer Day que foi celebrado no último dia 4, mas as ações decorrem durante todo o mês com o objetivo de alertar sobre a prevenção e de como se enfrentar a doença. Este ano com a mensagem: "We can. I can" - "Nós podemos. Eu posso".

Por DINO DIVULGADOR DE NOTÍCIAS

08 de fevereiro de 2017 | 11h16

Segundo a estimativa do INCA (Instituto Nacional do Câncer) para 2016/2017, o Brasil deve registrar 596 mil casos de câncer. Entre os homens, são esperados 295.200 casos e entre as mulheres, 300.800. Chama-se atenção para um tipo de tumor que é pouco falado, mas não menos importante que os demais, o câncer ósseo, que podem ser tumores benignos ou malignos e podem também ter origem no próprio osso ou serem desenvolvidos pela propagação de outros cânceres localizados em outras partes do corpo, processo chamado de metástase. Assim como os demais tipos de câncer, o câncer ósseo também é derivado do crescimento anormal de células em alguma parte do esqueleto e/ou dos tecidos que o recobrem.

O onco-ortopedista da UFRJ-RJ, Dr. Marcelo Bragança dos Reis, alerta que os sintomas do câncer ósseo envolvem dor, enfraquecimento e fragilidade do osso atingido, podendo resultar em uma fratura. "Esse tipo de tumor atinge principalmente os ossos longos, sendo os mais comuns o fêmur e a tíbia, especialmente na região do joelho. Em alguns casos pode-se formar um tipo de massa no local, mas isso nem sempre acontece, fazendo com que a doença seja mais silenciosa", destaca.

No exame físico, o médico pode perceber o aumento do volume local, calor local, dor e limitação na movimentação da articulação comprometida. Segundo o especialista, em uma fase mais tardia o tumor passa a ser visível como um abaulamento na região do osso comprometido, mais frequente na região do joelho. "Nos casos de tumores muito extenso, o paciente pode apresentar fratura devido à destruição do osso pelo tumor. Diante de sintomas suspeitos, deve-se procurar um especialista e o primeiro exame a ser solicitado é o raio-x, que pode confirmar ou não a suspeita de tumor. Para se ter mais detalhes são realizados tomografia e/ou ressonância e para o diagnóstico de certeza indica-se a biópsia do tumor", afirma.

O especialista ainda destaca a importância dos avanços tecnológicos e da detecção precoce de tumores ósseos. "Nas últimas décadas houve um grande progresso no tratamento de tumores ósseos, mas o grande impacto nas taxas de cura que se estima em torno de 70%, deve-se ao diagnóstico precoce da doença em seus estágios iniciais, o que permite um tratamento menos agressivo, com maiores possibilidades de cura e menos sequelas da doença ou do tratamento. Portanto é muito importante a conscientização, tanto da classe médica quanto da população de um modo geral, deste possível diagnóstico, com diminuição do estigma que acompanha a doença ao longo dos anos, visando proporcionar um melhor atendimento aos diagnosticados com a doença", enfatiza.

Como as causas dos tumores ósseos primários são desconhecidas, não há nenhuma medida de prevenção primária, ou seja, que as pessoas possam adotar por si próprias, para evitar a doença, mas é recomendável a pessoas que tem casos na família manter um acompanhamento médico mais estrito, a fim de rastrear lesões suspeitas ainda no começo. "Por sua vez, quem já teve um câncer curado em algum outro órgão, principalmente em mama, pulmão, rim, próstata e tiroide, não pode abrir mão de fazer as consultas e os exames de rotina, nos intervalos estabelecidos pelo oncologista. Esse cuidado não evita o surgimento de novos focos, mas torna possível identificar qualquer alteração ainda em seu estágio inicia", diz.

O Movimento World Cancer Day foi instituído em 2005 pela OMS (Organização Mundial da Saúde) e pela UICC (União Internacional para o Controle do Câncer) com o objetivo de aumentar a conscientização sobre a doença, que no geral mata 8,3 milhões de pessoal mundialmente. A campanha pretende mostrar como todos ? em grupo ou individualmente podem reduzir o impacto do câncer.

Website: http://www.oncoortopedia.com.br/

Tudo o que sabemos sobre:
Releases

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.