Paraquedismo: uma opção radical para praticar em Boituva

Boituva, SP--(DINO - 24 jan, 2017) - Apesar de a atividade colocar o paraquedista em uma situação de medo, a prática constante pode ajudá-lo a reduzir suas fobias e inseguranças através do sentimento de superação.

Por DINO DIVULGADOR DE NOTÍCIAS

24 de janeiro de 2017 | 18h52

Já imaginou a sensação de cair em queda livre e precisar se salvar ainda no ar?

Essa relação desenvolvida com a situação de risco dá cada vez mais confiança para a pessoa e é um aprendizado que ela pode e deve levar para toda sua vida.

A coragem inicial para arriscar um salto é mais orgânica para quem já curte esportes radicais e a sensação da adrenalina no corpo, mas há muitas pessoas que são apaixonadas por aviação e acabam fazendo o salto duplo para ter uma primeira experiência no ar.

O resultado? Muitos. A grande maioria, não abandonou mais o esporte. O fato de você poder acompanhar sua evolução, se especializar, saltar de lugares diferentes, viver novas sensações e viajar para conhecer novos picos para saltar, acaba estimulando a sua permanência no esporte.

A parte mais difícil e desafiadora é passar pelo curso, que exige comprometimento, disciplina e concentração.

No Brasil, o melhor lugar para ter essa experiência, que une teoria à prática, é a cidade de Boituva, em São Paulo.

O local possui simplesmente a maior área de paraquedismo da América Latina, sendo quase um parque de diversões para os mais fissurados.

No Centro Nacional de Paraquedismo, o importante é encontrar um instrutor de confiança para que você possa se dedicar sem medo ao esporte.

A "Paraquedismo Boituva", escola local, oferece diversas opções de saltos e cursos, tanto para iniciantes quanto para praticantes mais avançados.

No site boituvaparaquedismo.com.br você pode encontrar todas as informações necessárias para planejar melhor sua visita, além de poder ver alguns vídeos de famosos, como o da atriz Daniele Suzuki, que servem de inspiração para o momento de planejar essa viagem de aventura.

Depois dos primeiros saltos, quando as primeiras dúvidas começam a ficar mais claras, é hora de estreitar os laços com esse novo elemento: o ar.

Afinal, o ser humano não tem asas e não foi feito para voar. Passar por esse processo de enfrentamento do instinto natural de sobrevivência de evitar o risco pode não ser tão simples, mas é engrandecedor.

A relação que amantes de esportes radicais desenvolvem com a natureza e com os próprios limites do corpo é quase transcendental, funcionando muitas vezes como uma forma de terapia.

Para muitos, pode ser mais divertido aprender a lidar com seus medos no ar, em queda livre, que conversando em um consultório.

O essencial é experimentar as diferentes maneiras de relaxar e perceber onde você se sente bem.

O ideal para o sucesso no paraquedismo é entender que o medo não pode ser totalmente superado, pois é ele que ajuda o praticante a se concentrar no momento em que ele está sozinho voando a cerca de 4 mil metros de altitude.

Conviver de forma harmônica com esses conflitos prazerosos do esporte radical é algo que se conquista com o tempo e os anos de prática.

É preciso que o praticante se identifique com o esporte, pois, até esse equilíbrio ser encontrado, as doses de adrenalina podem ser bem altas.

Qual tal começar logo e arriscar um salto para entender no seu próprio corpo os benefícios que o paraquedismo pode trazer para a sua vida?

A cidade de Boituva fica a cerca de 110 quilômetros da capital paulista e, quando estiver lá, a "Paraquedismo Boituva" é a melhor opção para que essa experiência seja feita com segurança e sucesso.

Website: http://www.boituvaparaquedismo.com.br

Tudo o que sabemos sobre:
Releases

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.