Reinventando o marketing no mercado fitness

Este conteúdo é uma comunicação empresarial

Por DINO DIVULGADOR DE NOTÍCIAS

16 de janeiro de 2017 | 17h50

São Paulo, SP--(DINO - 16 jan, 2017) - No final de 2015, a Kikos, fundada há 25 anos e pioneira no segmento fitness brasileiro, resolveu mudar radicalmente suas formas de planejar e investir em marketing. "Resumidamente, saímos do mundo offline e passamos, de corpo e alma, para o online", resume Patrícia Liberal, gerente de marketing e e-commerce da empresa.

Com foco estratégico direcionado para vendas a consumidores finais, condomínios, hotéis, academias e construtoras e com sólido posicionamento de mercado, até 2015 a Kikos destinava 50% da sua verba de comunicação para cotas de patrocínio em eventos de repercussão nacional; 10% para mídias segmentadas - sobretudo nas revistas direcionadas ao público AA - e o restante em marketing digital.

"Quando construímos nosso planejamento anual tínhamos a missão de reduzir os gastos e repensar os investimentos para enfrentar a retração da economia que era dada como certa para acontecer em 2016", lembra Patrícia. "Contudo, não podíamos, simplesmente, parar de anunciar", explica.

A gerente de marketing da Kikos explica que centralizar as ações de marketing no ambiente online não decorreu, única e exclusivamente, da economia que proporcionaria. "No mundo digital, conseguimos responder com mais agilidade às tendências de mercado e conseguimos mensurar os resultados dos investimentos em marketing, condição mais limitada no segmento offline."

A estratégia deu certo e a empresa a manterá em 2017, mas com um detalhe: o de sempre poder avaliar a relação custo-benefício. "A Kikos se mantém aberta para testar novas parcerias, novas ideias, novas mídias de relacionamento com o público, mas desde que os resultados possam ser mensurados. Esta é nossa política: investimos naquilo que podemos mensurar os resultados", finaliza Patrícia.

Tudo o que sabemos sobre:
ReleasesSão Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.