Saiba como investir com Selic abaixo de 10%

Este conteúdo é uma comunicação empresarial

Por DINO DIVULGADOR DE NOTÍCIAS

16 de março de 2017 | 11h40

São Paulo, SP--(DINO - 23 fev, 2017) - Em sua segunda reunião no ano, o Comitê de Política Monetária (Copom) reduziu mais uma vez a taxa básica de juros de 13% para 12,25% ao ano. Reforçando a perspectiva do mercado de que a Selic deve terminar 2017 abaixo de 10%.

A realidade é que, em breve, a época dos juros de dois dígitos ficará para trás. "Estamos caminhando para juros (e, portanto, retornos) estruturalmente mais baixos, o que deve provocar algumas mudanças na sua forma de pensar os investimentos", considera Beatriz Cutait , responsável pelo relatório Você Investidor da Consultoria de Investimentos Empiricus Research .

De acordo com a especialista, se o investidor não quiser abrir mão de aplicações mais conservadoras, terá que considerar três opções:

1. ALONGAR O PRAZO DAS APLICAÇÕES ? Se o dinheiro não vai fazer falta, o ideal é escolher papéis com vencimentos mais longos para garantir os retornos atuais por mais tempo;

2. BUSCAR PAPÉIS COM RETORNOS PRÉ-FIXADOS ? Os títulos pré-fixados ainda oferecem um prêmio em relação à Selic prevista pelo mercado, com taxas acima de 10%, em meio a uma Selic esperada de 9% ao fim de 2018. Embora pequena, essa diferença pode ser oportuna se o investidor vender o papel antes do vencimento ou se carregar até o prazo final, considerando um cenário de juros básicos estruturalmente menores;

3. CORRER MAIS RISCOS ? Outra opção é aumentar a parcela do patrimônio alocada em ativos mais arriscados, como ações, fundos imobiliários e moedas. Essa exposição pode ser feita via fundos de ações ou multimercados, caso o investidor não se sinta seguro para selecionar os ativos sozinho.

"Com a queda da taxa Selic, todas as aplicações que rendem um percentual do CDI, como grande parte dos CDBs, terão rendimentos mais baixos. O investidor vai precisar de uma carteira mais diversificada", alerta Beatriz.

Assista: Queda na taxa Selic: onde investir?

INVESTIMENTOS EM RENDA FIXA

Segundo Marília Fontes , analista responsável pelos relatórios de Renda Fixa da Empiricus, "para quem vai entrar agora na Renda Fixa, o recomendado é ter uma carteira menos exposta a risco, pois o mercado já precificou um bom volume de quedas na Selic, e as oportunidades agora são pontuais".

Ela ressalta que os títulos públicos Tesouro IPCA indexados à inflação devem ter uma performance superior aos pré-fixados conforme vamos nos aproximando do meio do ciclo. Isso acontece porque a inflação implícita tende a reduzir a queda dos pré-fixados.

Leia mais: Como investir no Tesouro Direto ,

OPÇÕES DE FUNDOS DE INVESTIMENTO

Também nos Fundos de Investimentos , há opções para quem quer ganhar com a queda da Selic. A especialista em Fundos na Empiricus , Luciana Seabra , explica que os fundos multimercados são os mais indicados para um cenário de queda da Selic, porque bons gestores operam bem os juros para ganhar com o movimento. Eles montam posições pré-fixadas e indexadas à inflação, que se tornam mais valiosas à medida que o juro cai. "Quando o juro se estabelecer em um patamar mais baixo, os multimercados seguirão como uma diversificação importante para a carteira, já que o fundo DI deverá ser cada vez mais usado somente como reserva de emergência", explica Luciana.

AÇÕES

Para Max Bohm , analista de investimentos da Empiricus e responsável pelos relatórios Microcap Alert e Empiricus Long&Short , a queda da Selic, aliada a spreads e custos menores de crédito, contribuem para a redução do endividamento de famílias e empresas, o que fará com que estes voltem a recorrer a novos empréstimos. E assim o consumo vai reagir, e o varejo vai comemorar.

"Nossa economia caminhava para o caos, mas o governo conseguiu mudar a direção deste transatlântico. Estamos evoluindo. Se um país se torna menos arriscado, seus ativos de risco (ações ) se apreciam", afirma Bohm.

Assista: Queda na taxa Selic: onde investir?

Website: http://www.empiricus.com.br

Tudo o que sabemos sobre:
Releases

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.