Saque do FGTS pode ser oportunidade para investir

São Paulo - SP--(DINO - 15 fev, 2017) - Muito conhecido pelos trabalhadores brasileiros, o Fundo de Garantia do Tempo de Serviço é considerado uma forma de proteção em casos de demissões sem justa causa ou problemas graves de saúde. Ele pode ser entendido como uma poupança em que o trabalhador não tem acesso livre ao dinheiro, podendo sacá-lo apenas em casos específicos.

Por DINO DIVULGADOR DE NOTÍCIAS

15 de fevereiro de 2017 | 18h18

Enquanto o montante permanece aplicado em uma conta na Caixa Econômica Federal, há correção monetária e rendimentos sobre o valor. Contudo, o percentual de rendimento é de apenas 3%, considerado muito baixo até mesmo em comparação com a caderneta de poupança.

Em relação aos bons investimentos disponíveis no mercado, o FGTS realmente não oferece rendimento vantajoso. A Bolsa de Valores no Brasil, por exemplo, teve mais de 38% de rentabilidade em 2016. Com isso, se antes muitos trabalhadores utilizavam esse dinheiro para financiar a casa própria, agora aplicá-lo em investimentos mais rentáveis é uma realidade cada vez mais presente.

Já houve momentos em que o próprio governo brasileiro permitiu o uso do FGTS para comprar ações da Petrobras , do Banco do Brasil e da Vale. Mas essas foram situações pontuais. Agora, com a Medida Provisória 763/2016 anunciada pelo governo de Michel Temer, os trabalhadores poderão sacar o FGTS em 2017 e aplicar o saldo em investimentos mais rentáveis.

Entre as possibilidades, estão títulos públicos adquiridos através do Tesouro Direto, Certificados de Depósito Bancário (CDB) e até mesmo ações de empresas renomadas. Para quem sacar o FGTS, os investimentos em renda fixa mais interessantes são os títulos públicos federais prefixados e indexados à inflação.

Já para o investidor que está disposto a buscar rentabilidades maiores em investimentos que possuem algum risco, o Mercado de Ações é uma excelente alternativa. Os investidores que sabem que não precisarão resgatar o capital do FGTS em um prazo curto de tempo, podem optar por investimentos de longo prazo na Bolsa de Valores, uma vez que boas empresas podem apresentar uma expressiva valorização em períodos maiores de tempo.

Deste modo, a expectativa do governo é de que a medida consiga estimular a economia, movimentando cerca de R$ 42 bilhões. Portanto, o saque do FGTS pode ser o que faltava para que muitos brasileiros consigam transformar sua realidade financeira.

Acesso ao Fundo de Garantia promete ser rápido

A Medida Provisória vai beneficiar especialmente as pessoas que foram demitidas por justa causa ou pediram demissão. Mas só vale para os desligamentos que ocorreram até o dia 31 de dezembro de 2015. Segundo informações divulgadas pela própria Caixa Econômica Federal, são mais de 30 milhões de trabalhadores elegíveis para sacar os recursos.

O calendário oficial de saques foi divulgado com início no mês de março. A proposta do governo Temer é liberar o acesso ao dinheiro o mais rápido possível, visando incentivar a atividade econômica.

Outra iniciativa para evitar filas e facilitar o acesso às contas é a extensão do horário de funcionamento das agências da Caixa. A ideia é que várias agências da Caixa Econômica Federal espalhadas pelo território brasileiro abram mais cedo e também funcionem em alguns sábados.

Nesse período adjacente, as agências abrirão exclusivamente para dar informações aos interessados e realizar atualização cadastral de quem pretende sacar o FGTS de contas inativas. Assim sendo, não será possível realizar outros procedimentos no horário especial de atendimento.

Para quem ainda não sabe se possui conta inativa ou se é elegível para realizar o saque do FGTS, no site da Caixa Econômica Federal é possível consultar as condições e os documentos necessários para efetivar o procedimento.

Website: https://www.tororadar.com.br/investimento/fgts-como-consultar-saldo-e-sacar-fgts

Tudo o que sabemos sobre:
Releases

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.