Segundo pesquisa, jovens da rede pública de ensino acompanhados por ONGs conquistam o dobro em renda mensal

Este conteúdo é uma comunicação empresarial

Por DINO DIVULGADOR DE NOTÍCIAS

14 Dezembro 2016 | 10h28

(DINO - 14 dez, 2016) - Segundo os dados da Pesquisa Mensal de Emprego na Região Metropolitana de SP, apenas 8% da população conclui o ensino superior nas redes públicas da capital. O número, tão baixo, alcança mais que o dobro quando falamos de jovens com o mesmo perfil socioeconômico, mas com um grande detalhe ? eles são acompanhados por ONGs (Organização não governamental).

Segundo dados do Lar das crianças da CIP (Congregação Israelita Paulista), Organização que realiza trabalho social e atende mais de 400 crianças desde a infância até seu encaminhamento profissional, 20% dessa população assistida por este trabalho da ONG concluem o ensino superior. O impacto positivo se reflete também na geração de renda: o salário dos que são formados sem esse tipo de apoio é de R$ 640 versus R$1563 para os que estão amparados. Também constata-se melhora na empregabilidade.

"Desde muito novos estimulamos a responsabilidade, liderança e valorizamos a importância de se ter uma profissão. Recebemos no "Lar" crianças que tinham pouca perspectiva de futuro e vinham de famílias desestruturadas que, por meio do trabalho da ONG, conseguiram trazer mudanças positivas a toda a família", explica Luciana Mautner, Diretora do Lar das crianças. Dentre os números com bom desempenho na comparação, destacam-se também as porcentagens de formação no Ensino Médio comum (71% contra 82%); 52% dos jovens entre 20 e 24 anos do ensino público estão empregados, enquanto 84% daqueles acompanhados pelo "Lar" já saem da ONG empregados.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.