Sensibilidade e planejamento: pilares do crescimento da presença feminina no empreendedorismo

Este conteúdo é uma comunicação empresarial

Por DINO DIVULGADOR DE NOTÍCIAS

11 de janeiro de 2017 | 17h46

São Paulo--(DINO - 11 jan, 2017) - Jeito de liderar uma equipe, sensibilidade, aptidão para os negócios, maior investimento em planejamento, entre outros fatores: essas podem ser consideradas quatro das muitas características que têm levado cada vez mais as mulheres a atuar e ter sucesso no empreendedorismo.

Recente pesquisa do Sebrae revela que - apesar de o percentual feminino no empreendedorismo ainda ser menor que o masculino (36,4% contra 42,4%) - 20% das mulheres entre os 18 e 64 anos de idade estão em vias de iniciar um negócio, contra 21,6% dos homens com o mesmo objetivo na mesma faixa etária.

Para Batista Gigliotti, presidente da Fran Sytens, estratégia e desenvolvimento de negócios, e coordenador de franquias do Núcleo de Empreendedorismo e Novos Negócios da Fundação Getúlio Vargas (FGV-CENN), "estes números são muito representativos e mostram que algumas das particularidades que as mulheres possuem em conduzir uma empresa são um diferencial a favor do sucesso".

Com maior dedicação e atenção ao planejamento, as empreendedoras atenuam as chances de equívocos, como explica o consultor: "as mulheres, de forma geral, seguem à risca as orientações a cerca do negócio e isso reduz consideravelmente as chances de insucesso. Além disso, o toque feminino de lidar com clientes, colaboradores e fornecedores é outro ponto positivo muito forte".

Ter mais tempo para se dedicar à família e aos filhos e a busca por uma melhor qualidade de vida também são pilares que levam cada vez mais mulheres ao mercado empreendedor.

Setores preferidos e aprofundamento em pesquisas antes de importante decisão

Ainda segundo o estudo do Sebrae, os segmentos de culinária, moda e artesanato são os preferidos das mulheres que se tornam empreendedoras. No entanto, antes de tomar esta decisão - o que pode nortear o resultado ? é vital que seja realizado uma imersão no setor.

"Em alguns casos a identificação e a afinidade com a área são os motivos que levam as mulheres a entrar nestes setores, mas podemos afirmar que a pesquisa, seja sobre o segmento e/ou concorrentes, é o alicerce que faz com que elas tomem tais decisões", revela Gigliotti.

Website: http://www.fransystems.com.br

Tudo o que sabemos sobre:
ReleasesSão PauloSebrae

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.