BNDES aprova financiamento de R$ 294 milhões para Sabesp

Crédito será usado para a ampliação, implantação e otimização dos sistemas de esgoto de programa na região metropolitana da Baixada Santista

Agência Estado,

26 de fevereiro de 2010 | 15h09

O BNDES aprovou financiamento de R$ 294 milhões para investimentos da Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp) na ampliação, implantação e otimização de sistemas de esgotamento sanitário integrantes de seu Programa de Recuperação Ambiental da Região Metropolitana da Baixada Santista, conhecido como "Programa Onda Limpa".

 

Segundo nota divulgada pelo banco, além da concessão de financiamento, o BNDES também apoia o plano de investimentos da Sabesp por meio de subscrição de debêntures. Em novembro do ano passado, o banco aprovou R$ 826,1 milhões em subscrição de debêntures simples, contemplando três emissões pela Sabesp.

 

Ainda de acordo com o banco, com mais esta operação divulgada hoje, a participação do BNDES no Programa Onda Limpa atinge R$ 424 milhões, já que, em outubro de 2007, o BNDES já havia destinado R$ 129,9 milhões em financiamentos ao programa da empresa.

 

O investimento total do Programa Onda Limpa, de acordo com o BNDES, é de R$ 1,3 bilhão, sendo R$ 424 milhões provenientes de financiamentos do banco, e R$ 365,7 milhões, da JICA, do Japão, o que corresponde, respectivamente, a 32% e 28% do total das fontes, de acordo com a nota.

 

A operação faz parte dos investimentos propostos para o setor de saneamento ambiental no âmbito do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC).

 

O projeto apoiado pelo banco e cujo financiamento foi aprovado hoje "tem por objetivo melhorar as condições sanitárias e ambientais dos municípios de Bertioga, Cubatão, Guarujá (Distrito de Vicente de Carvalho), Itanhaém, Mongaguá e Praia Grande, por meio da elevação dos índices de coleta e tratamento dos esgotos e redução da carga poluidora lançada nas praias da Baixada Santista", ainda segundo a nota.

 

De acordo com o banco, o empreendimento prevê a construção e ampliação de estações de tratamento e de precondicionamento de esgotos, estações elevatórias, emissários submarinos e terrestres, e redes coletoras.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.