Pilotos da Lufthansa anunciam greve de 4 dias por salário

Segundo sindicato de pilotos, 94% dos associados aprovaram ação por aumento salarial de 6,4%; prejuízo da última greve chegou a 75 milhões de euros 

Reuters,

17 de fevereiro de 2010 | 17h55

Os pilotos da companhia aérea alemã Lufthansa anunciaram nesta quarta-feira, 17, o início de uma greve de quatro dias a partir de segunda-feira devido a uma disputa sobre salários e segurança no trabalho. 

O sindicato de pilotos Vereinigung Cockpit (VC) informou que 94% de seus associados aprovaram a ação durante uma eleição que levou um mês e que estavam prontos para estender a greve se necessário.

"Prevemos um impacto maciço nos voos da Lufthansa", disse em entrevista coletiva o principal negociador do sindicato, Thomas von Sturm.

O sindicato afirmou que estava preparado para reiniciar as negociações com a Lufthansa a qualquer momento se a companhia atendesse suas condições.  A Lufthansa respondeu que não poderia aceitar as reivindicações dos pilotos e exigiu ao sindicato que retomasse as negociações.

"Uma greve prejudica a companhia, seus clientes e funcionários em um grau muito elevado", afirmou a Lufthansa, acrescentando que fará tudo para limitar o impacto da greve.

As companhias aéreas estão se recuperando do pior ano para a indústria da aviação. A demanda caiu antes de a capacidade ser diminuída. A Associação Internacional de Transporte Aéreo (Iata) disse que 2010 será igualmente difícil.

A última grande greve da Lufthansa, que durou três dias em 2001, forçou a companhia a cancelar centenas de voos. O movimento levou ao aumento de 125 milhões de euros em custos de pessoal e provocou prejuízo de 75 milhões de euros.

Além do aumento salarial de 6,4% para os próximos 12 meses, o sindicato exige segurança de trabalho para os pilotos da Lufthansa, sua unidade de carga e a empresa de baixo custo na Alemanha Germanwings.

(Reportagem de Maria Sheahan)

Tudo o que sabemos sobre:
AEREAS, LUFTHANSA, GREVE*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.