Apenas hoje, 30 mil empresas renegociaram dívidas com União

Empresas tem até esta quinta para renegociar suas dívidas dentro do programa 'Refis da Crise'

Eduardo Rodrigues, da Agência Estado,

29 de junho de 2011 | 18h02

Somente nesta quarta-feira, 29, até o fim da tarde, cerca de 30 mil companhias apresentaram documentação ao governo para renegociar suas dívidas com a União, dentro do programa chamado "Refis da Crise". A informação foi apresentada pelo diretor do Departamento de Gestão da Dívida Ativa da União da Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional (PGFN), Paulo Ricardo de Souza. O prazo para fazer essa renegociação termina nesta quinta-feira, 30.

Até esta terça, apenas 59 mil empresas haviam cumprido os requisitos para o parcelamento dos débitos. Souza estima que outras 10 mil negociem ainda nesta quarta suas dívidas, escolhendo o prazo do parcelamento e, consequentemente, os valores das mensalidades. Cerca de 50 mil empresas ainda não renegociaram e, se não fizerem isso até esta quinta, perderão o prazo.

"Acredito que vamos conseguir chegar muito perto do total amanhã. Infelizmente o brasileiro tem a cultura de deixar para o último dia", afirmou Souza. Segundo ele, a Receita Federal recebe cerca de 2 milhões de declarações de Imposto de Renda de Pessoa Física no último dia do prazo e, portanto, estaria apta a atender da mesma forma as 50 mil empresas que ainda não regularizaram seus processos no Refis.

Além disso, ressaltou o diretor, a empresas que atrasaram os pagamentos das parcelas mínimas precisavam quitar esses valores pelo menos três dias antes da negociação final. "É provável que muitas companhias tenham pagado apenas essa semana e estejam esperando até amanhã para se enquadrarem nesse requisito", acrescentou Souza.

Nesta quinta acaba o prazo para as firmas submetidas a acompanhamento econômico especial ou diferenciado e as optantes pela tributação por lucro presumido. Entre os dias 6 e 29 de julho será a vez das outras 212 mil companhias que se inscreveram no Refis da Crise.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.