Banco espanhol de crédito CajaSur precisa de pelo menos € 800 milhões

Bancos de poupança com controle compartilhado com comunidades locais estão sofrendo com o colapso do mercado imobiliário do país

Danielle Chaves, da Agência Estado,

28 de maio de 2010 | 13h33

Autoridades da Espanha provavelmente terão de gastar cerca de € 800 milhões (US$ 987,2 milhões) para colocar em ordem a debilitada fornecedora de crédito CajaSur e esperam vendê-la para outro banco dentro de três meses, segundo uma pessoa próxima à situação.

O Banco da Espanha assumiu o controle do CajaSur no fim de semana passado, depois que o pequeno banco de poupança se recusou a fundir suas operações com o Unicaja. A fonte afirmou que os € 800 milhões serão necessários para atender às exigências de capital mínimas.

Por causa de sua ligação próxima com comunidades locais, os bancos de poupança controlados mutuamente estão sofrendo com o colapso do mercado imobiliário espanhol. Autoridades do governo dizem que cerca de metade dos bancos de poupança, chamados de "cajas" no país, estão tão enfraquecidos que precisam se fundir com concorrentes maiores. O banco central espanhol vem ameaçando tomar o controle dos bancos que não fizerem isso.

O Banco da Espanha quer vender o CajaSur a outro banco quando a reorganização da instituição tiver terminado, por esse ser o modo mais simples e efetivo em custos para se desfazer do banco. Se isso não der certo, o banco central pode dividir o CajaSur e vender seus ativos separadamente ou simplesmente liquidar a instituição.

A fonte afirmou que um potencial comprador do CajaSur pode pedir mais fundos estatais para facilitar a aquisição. O Unicaja pediu € 1 bilhão na frustrada tentativa de comprar o CajaSur.

Fusão de operações

O banco de poupança espanhol Caja Madrid está negociando a fusão de algumas de suas operações com vários outros bancos, segundo o Caja De Ávila. Em um documento entregue ao órgão regulador do mercado espanhol, o banco Caja de Ávila disse que os bancos Caja Insular de Canárias, Caixa Laietana, Caja Segovia e Caja Rioja também podem fazer parte união.

O governo da Espanha está tentando fazer uma limpeza em seu setor bancário, especialmente nos bancos de poupança, chamados no país de "caja". Hoje a ministra de Finanças espanhola, Elena Salgado, afirmou que a limpeza do sistema bancário vai custar menos do que os € 27 bilhões que o governo estimou no orçamento deste ano.

A ministra disse que esse montante será "muito mais do que suficiente para cobrir todo o custo da reestruturação". No ano passado a Espanha criou um fundo de resgate com 9 bilhões de euros - que poderiam ser ampliados para € 99 bilhões - para cobrir os custos da reestruturação do sistema bancário do país depois do colapso do boom imobiliário que durou uma década. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
EspanhacréditobancosCajaSur

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.