Bancos não estão imunes a choque soberano, segundo testes

Apesar de terem passado em teste da UE - exceto o Hypo Real Estate -, há sinais de que setor bancário não está imune, como o NordLB e o Deutsche Postbank

Gustavo Nicoletta, da Agência Estado,

23 de julho de 2010 | 17h03

O banco Hypo Real Estate Holding, que é controlado pelo governo da Alemanha, fracassou no teste de estresse aplicado sobre as instituições financeiras da União Europeia, conforme o previsto, enquanto os demais bancos do país passaram na avaliação, segundo os reguladores. No entanto, sinais de que o setor bancário alemão não está imune a choques soberanos podem aumentar a pressão para que instituições como o NordLB e o Deutsche Postbank fortaleçam sua base de capital.

O teste de estresse da UE exigiu que os bancos comprovassem que teriam uma taxa de capital Tier 1 de 6%, no mínimo, nos três cenários apresentados pelas autoridades europeias, sendo que dois desses cenários estipulavam condições mais adversas do que as projetadas atualmente para a economia nos próximos anos.

O Hypo RE, que passou a ser controlado pelo governo alemão no final do ano passado após receber € 102 bilhões em recursos estatais, foi reprovado nos dois cenários mais adversos, registrando uma taxa de capital Tier 1 de 4,7% no pior deles - que inclui a perspectiva de um choque soberano - e de 5,3% no cenário - que prevê uma economia mais fraca, mas não inclui o choque soberano.

Embora os outros 13 bancos alemães avaliados tenham sido aprovados no pior cenário, dois deles - o NordLB e Deutsche Postbank - passaram com pouca margem em relação ao requisito mínimo, apresentando taxas de capital Tier 1 de 6,2% e de 6,6%, respectivamente. Além disso, este mesmo cenário também provocaria uma redução acentuada na solidez financeira de bancos como o WestLB, que teria uma redução em sua taxa de capital Tier 1 para 7,1%, de 14,4% no final de 2009.

O cenário com o choque soberano também reduziria a taxa de capital Tier 1 do Deutsche Bank para 9,7%, de 12,6% no final do ano passado. Apenas o Landesbank Berlin conseguiria manter sua taxa acima de 10% quando exposto a essas condições.

Segundo o analista da Merck Finck, Konrad Becker, os resultados podem levar alguns bancos a levantar capital, mas não haverá uma onda nesse sentido. "Para isso ocorrer em larga escala, serão mais importantes os novos requisitos regulatórios de Basileia III, que serão conhecidos ainda neste ano, do que os testes de estresse", afirmou. As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.