Dezessete bancos nos EUA pagaram US$ 1 bi em salários e bônus durante a crise

Segundo o jornal 'WSJ', Tesouro vai citar pagamentos 'não recomendados', mas não tem autoridade para exigir sua devolução

Renato Martins, da Agência Estado,

22 de julho de 2010 | 18h57

O responsável pelos pagamentos do Programa de Alívio para Ativos Problemáticos (Tarp), do Departamento do Tesouro dos EUA, Kenneth Feinberg, vai citar 17 instituições financeiras por terem feito mais de US$ 1 bilhão em pagamentos "não recomendados" a seus executivos no auge da crise financeira, segundo fontes citadas pelo Wall Street Journal. O relatório de Feinberg deverá ser divulgado nesta sexta-feira.

Entre os bancos que ele deverá citar estão Goldman Sachs, JPMorgan Chase e Citigroup, disseram as fontes.

Feinberg não tem autoridade para exigir a devolução desses pagamentos. Várias das 419 instituições que receberam recursos emergenciais do governo federal norte-americano pelo programa Tarp, entre elas Goldman, JPMorgan e Citigroup, já devolveram o dinheiro ao Tesouro. Outras ainda não o fizeram, entre elas algumas que deverão ser citadas no relatório. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
TesouroEUATarpbancossaláriosbônus

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.