Dólar cai a R$1,846 com expectativa de ajuda à Grécia

No mês, moeda norte-americana acumula variação negativa de 2,07%, mas, no ano, alta ainda é de 5,91%

Reuters,

09 de fevereiro de 2010 | 19h01

A esperança do mercado quanto a uma ajuda da Europa à combalida Grécia derrubou o dólar abaixo de R$ 1,85 nesta terça-feira, 9, em uma sessão repleta de especulações e desmentidos no exterior.

 

A moeda norte-americana terminou o dia a R$ 1,846, em baixa de 1,49%. No mês, a variação negativa é de 2,07%, mas, no ano, a alta ainda é de 5,91%. O mercado amanheceu com a notícia de que o presidente do Banco Central Europeu (BCE), Jean-Claude Trichet, antecipou a volta de uma viagem à Austrália.

 

A decisão foi interpretada como um sinal da iminência de um socorro coordenado para a Grécia, cujas dificuldades fiscais têm derrubado o euro e fortalecido o dólar desde o início do ano. Um porta-voz, porém, disse que a mudança foi tomada somente por "questões logísticas".

 

Mais tarde, uma fonte do governo alemão informou à Reuters que os países da zona do euro decidiram por fim ajudar os gregos, embora o formato do pacote ainda não estivesse definido. Um porta-voz alemão também desmentiu a informação.

 

Em meio aos relatos desencontrados, a Grécia anunciou uma série de medidas para aumentar as receitas e diminuir o déficit. O plano inclui o congelamento das pensões no setor público acima de 2 mil euros e um imposto de até 40% sobre a renda acima de 60 mil euros por ano.

 

O otimismo com a possibilidade de um alívio para a situação grega sustentou o apetite pelo risco em todo o mundo e levou o euro para acima de US$ 1,38 na máxima do dia, após a moeda comum ter recuado a US$ 1,35 na semana passada. O Ibovespa chegou a subir mais de 3%, e as commodities, segundo o índice Reuters-Jefferies, tinham alta de 1,4% no meio da tarde.

 

O movimento, no entanto, era visto mais como um respiro do que como uma inversão definitiva de tendência. Moacir Marcos Júnior, operador de câmbio da corretora Finabank, afirmou por exemplo que ainda não vê o retorno dos exportadores às operações de hedge - sinal de que as apostas na baixa do dólar ainda são muito incipientes.

 

Analistas estrangeiros também acreditam que a queda do dólar deve ser somente uma correção de curto prazo. Eles apontam para o aumento das apostas contra o euro a US$ 7,6 bilhões, nível visto pela última vez no auge da crise, em 2008. Para um prazo mais longo, a previsão é de euro fraco e volatilidade.

 

No Brasil, da mesma forma, têm prevalecido as apostas dos estrangeiros contra o real: são US$ 6,536 bilhões em posições compradas na moeda norte-americana nos mercados de dólar futuro e cupom cambial, de acordo com dados da BM&FBovespa referentes à segunda-feira.

 

(Reportagem de Silvio Cascione)

Tudo o que sabemos sobre:
dólar, euro, crise, União Europeia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.