Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Para quem vai viajar, recomendação é comprar dólar em parcelas

Especialistas alertam que esperar até o fim do ano para adquirir a moeda é arriscado. O melhor é se programar até a viagem para evitar grandes perdas

Yolanda Fordelone, do Economia & Negócios,

22 de setembro de 2011 | 08h05

O agravamento da crise internacional já levou o dólar para R$ 1,8450, com alta de 15,75% só em setembro. Analistas dizem que o cenário é de queda da moeda norte-americana no longo prazo, mas para quem vai viajar fica a indecisão de até quando esperar para comprar dólares. Especialistas alertam que esperar até o fim do ano para adquirir a moeda é arriscado. O melhor é se programar até a viagem para evitar grandes perdas.

"O dólar deu essa subida em função do cenário internacional", diz o economista da LLA Investimentos, Sérgio Manuel Correia. "Deve continuar essa pressão na moeda até que o cenário sobre a Grécia esteja mais claro", complementa o diretor da Título Corretora, Marcio Cardoso.

O dólar, que começou agosto no patamar de R$ 1,56, fechou ontem cotado a R$ 1,8450. Segundo o último boletim Focus do Banco Central, o mercado elevou a projeção apara o câmbio para o fim de 2011 de R$ 1,60 para R$ 1,65. Ou seja, a tendência é de queda até o final do ano. Mas, para reduzir os riscos, a principal sugestão é que os investidores façam compras graduais a partir de agora.

"Há algum tempo vemos que o hábito do brasileiro tem mudado na questão da compra dos pacotes. Eles compram antecipado para conseguir preços melhores, mas o mesmo não ocorre na compra de moedas. Deixam tudo para a última semana. Não há uma programação", afirma o vice-presidente do Grupo Fitta, Rodrigo Macedo.

Macedo explica que é difícil saber o comportamento do câmbio daqui a 30 ou 40 dias. Para uma viagem tão próxima assim, a sugestão é de compras semanais da moeda em espécie ou em cartões pré-pagos. Com a aquisição parcelada da moeda, o consumidor faz um preço-médio, diminuindo o risco de fazer compras apenas em momentos em que a cotação esteja alta.

Para quem ainda não fechou a passagem aérea ou o pacote, a dica é tentar acertar os valores em reais. "Se você compra em dólar, há a desvantagem de não saber quanto irá dar em reais", afirma Macedo.

Já o pagamento no cartão de crédito é a pior escolha , dizem especialistas. "Além da variação do dólar, o turista paga 6,38% de IOF", diz Cardoso. O governo aumentou a alíquota do imposto este ano, justamente para tentar desestimular o uso de cartões no exterior. Nesse meio de pagamento, o investidor também corre o risco de a cotação subir já que o valor da compra é convertido em reais pelo câmbio do dia da fatura e não do dia da utilização do cartão.

Tudo o que sabemos sobre:
dólarturismoviagemparcelasmoeda

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.