SEC terá de contratar 800 funcionários para nova lei financeira nos EUA

Presidente do órgão regulador diz que contratações serão necessárias para atender às novas responsabilidades da SEC

Ligia Sanchez, da Agência Estado,

19 de julho de 2010 | 16h59

A presidente da Securities and Exchange Commission (SEC), Mary Schapiro, disse que o órgão precisará contratar cerca de 800 funcionários para atender às responsabilidades que lhe foram conferidas pela nova lei financeira dos EUA, aprovada na semana passada.

Em depoimento por escrito, preparado para uma audiência na Câmara nesta terça-feira, Schapiro informa que os funcionários da SEC já começaram a discutir a nova regra de delação, que permite aos reguladores compensar informantes com até 30% das multas que superem US$ 1 milhão. A divisão de aplicação da lei da SEC considera a nova capacidade de atrair informantes do setor financeiro como uma ferramenta crucial para coibir abusos de mercado.

Schapiro espera que os próximos meses de atividade da SEC sejam dominados pela implementação da nova lei financeira. A medida foi aprovada no Senado na semana passada e deverá ser assinada nesta quarta-feira pelo presidente Barack Obama. A nova lei exige que a SEC formule dezenas de novas leis, crie cinco novos escritórios e conduza múltiplos estudos, muitos deles no prazo de um ano. A SEC receberá novos poderes sobre fundos de hedge, agências de classificação de crédito e o mercado de balcão para derivativos, entre outros.

Antes de a lei financeira ser completada, a Casa Branca pediu quase US$ 1,3 bilhão para a SEC para o ano fiscal 2011. Se o Congresso aprovar o montante, a equipe passará do atual nível de 3,7 mil funcionários para cerca de 4,2 mil, de acordo com a declaração de Schapiro. Os 800 funcionários necessários para atender a lei financeira seriam somados às contratações previstas no Orçamento de 2011. O orçamento da SEC inclui US$ 24 milhões somente para a revisão financeira e permitirá à agência começar o processo de implementação. As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.