Cai o preço de eletroeletrônico

ICV do Dieese aponta deflação de itens como televisores e fogões que são vendidos na capital

Gisele Tamar, do Jornal da Tarde,

20 de maio de 2011 | 15h44

Comprar eletrodomésticos e eletrônicos está mais barato que há um ano na capital paulista. Enquanto a inflação geral subiu 7,33% entre maio de 2010 e abril deste ano, os produtos como fogão e televisão registraram queda de 6,87% e 3,12%, respectivamente. As variações fazem parte do Índice do Custo de Vida (ICV) que é calculado pelo Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese).

De acordo com a coordenadora do ICV, Cornélia Nogueira Porto, as quedas de preços — principalmente as verificadas nos produtos eletrônicos — estão relacionadas à desvalorização do dólar. "Os produtos nacionais enfrentam a concorrência dos importados que ficaram mais baratos", diz.

Além disso, afirma Cornélia, a própria concorrência entre as grandes redes varejistas contribui ainda mais para a deflação de eletrodomésticos e eletrônicos.

Só nos quatro primeiros meses de 2011 o fogão caiu 6,74%, o micro-ondas ficou 2,91% mais barato e o preço da máquina de lavar roupa baixou 4,08%. Já a inflação geral foi na contramão e subiu 3,43%. A professora do Insper Angela Menezes explica que o primeiro semestre do ano é caracterizado pelos gastos com pagamento de impostos como IPVA, IPTU, IR e gastos com a escola dos filhos.

E como 2010 foi um ano de economia aquecida, muitos brasileiros já efetuaram suas compras e estão endividados. Esse cenário aliado à restrição de crédito fez a demanda cair e consequentemente os preços também. É a lei da oferta e procura.

A última pesquisa mensal de comércio do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) mostra desaceleração no ritmo de crescimento do volume de vendas. A taxa passou de 9,6% no quarto trimestre do ano passado para 6,9% para o primeiro trimestre de 2011. Na opinião da professora do Insper, caso a demanda continue em desaceleração, a tendência é que os preços caiam ainda mais.

Pesquisa de preços

Apesar dos produtos estarem mais baratos, a professora alerta que a pesquisa de preços é importante. O procedimento deve ser feito tanto em lojas físicas quanto em sites de compras. A dica principal é, sempre que possível, tentar fazer a compra à vista para conseguir um bom desconto no preço final.

"Muitas famílias já estão endividadas e gastam mais do que ganham, por isso, o consumidor deve planejar a compra e não comprometer ainda mais o orçamento com dívidas de longo prazo", declara a professora do Insper.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.