Imagem Fábio Gallo
Colunista
Fábio Gallo
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Como investir de forma inteligente em 2017

Ano de 2016 mostrou como somos ruins em previsões, mas investidor ainda terá porto seguro na renda fixa e títulos prefixados

Fábio Gallo, O Estado de S. Paulo

26 Dezembro 2016 | 06h56

O ano novo está pedindo passagem e o Brasil está passando, ressentido com tudo que vivemos em 2016. Ano marcado por acontecimentos de alto impacto na política, na economia e no nosso cotidiano, com vidas perdidas sem necessidade. Mas, se pensarmos um pouco, veremos uma linha comum nesses episódios: a ganância humana em todos os seus aspectos.

Eu gostaria de ter acesso ao Oráculo de Delfos para saber o que ainda vem pela frente. Sei que o ano de 2017 vai exigir muita perspicácia de todos nós. A inflação aponta para o centro da meta de 4,5% e, se tudo der certo, teremos o PIB crescendo, abaixo de 1%, nada brilhante. A trava de crédito ainda está muito forte. O devedor terá mais um ano difícil, mas com taxas de juros menores do que neste ano. Se o desemprego, que atingiu 12%, der uma folga, alguns bolsos ficarão muito agradecidos.

No entanto, mesmo tendo algumas indicações sobre o nosso futuro próximo, o ano de 2016 mostrou o quanto somos ruins em nossas previsões. Os “cisnes negros” estiveram à solta. Como Nassim Taleb (famoso financista que ganhou dinheiro apostando na crise global de 2008) nos apresenta, estes são eventos inesperados, de impacto extremo e que parecem óbvios após terem acontecido. Isso explica o surgimento de diversos cavaleiros do apocalipse, que fizeram previsões equivocadas para este ano e que agora aparecem na mídia dizendo que acertaram as evidências – mas não sobrevivem a teste algum. Erramos e ainda vamos errar mais.

O mundo está mais imprevisível, não sabemos o que acontecerá após a posse do republicano Donald Trump, com o crescimento chinês e suas consequências. No horizonte nacional, a Operação Lava Jato ainda deverá provocar muita turbulência política e econômica. 

Mas podemos visualizar alguns caminhos. O investidor ainda terá em 2017 um porto seguro na renda fixa, e títulos prefixados estarão entre as boas oportunidades.

Contudo, devemos colocar na ponta do lápis o rendimento das alternativas. Poderemos ter alguma surpresa no campo tributário. De qualquer forma, no próximo ano devemos estar atentos às ofertas das fintechs – start-ups que oferecem serviços ou produtos financeiros.

Por outro lado, os investidores deverão buscar mais diversificação de suas carteiras, voltando seu olhar também para a renda variável. Fundos multimercado ou mesmo fundos de ações também poderão ser buscados, mas é preciso considerar muito bem os custos. 

Outras opções que devem entrar no cardápio são os fundos de crédito e os fundos imobiliários. 

Algumas boas alternativas em ações de empresas com boas perspectivas estão surgindo. Empresas de setores tradicionais e as instituições financeiras estão se mostrando com potencial de bons resultados. Caso ocorra a esperada redução da inadimplência, os bancos devem apresentar maiores lucros.

Qualquer que seja o perfil do investidor, em um ambiente de maior imprevisibilidade é essencial estabelecer uma estratégia para sua carteira de acordo com os objetivos de sua vida financeira, estabelecendo qual o grau de risco suportável e os limites de perdas em ativos de renda variável. 

Isso tudo para que o aspecto comportamental, a emoção, não atrapalhe fortemente as decisões de investimento. Planeje, dedique-se e busque conhecer mais sobre o mercado financeiro. Um ano sem muita previsibilidade pode trazer muitas oportunidades. Esteja atento.

Mais conteúdo sobre:
Investimento

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.