Consumidores contemplados em consórcios adiam compra dos bens

Nos consórcios de imóveis, por exemplo, havia em janeiro mais de 390 mil cotas com crédito disponível

Malena Oliveira, O Estado de S. Paulo

27 Março 2017 | 05h00

Em mais um reflexo da crise econômica, muitos consumidores contemplados em consórcios têm deixado para depois a compra de bens como imóveis ou veículos, os principais itens financiados nessa modalidade.

De acordo com os dados mais recentes do Banco Central, em janeiro havia mais de 390 mil cotas com crédito disponível para utilização, no caso dos consórcios imobiliários. Para veículos leves, essas cotas somavam quase 260 mil. Ambos os estoques ficaram praticamente estáveis em relação a janeiro de 2016, mas vieram de uma trajetória de alta de 6,22% e de 14,77%, respectivamente, na comparação entre o começo do ano passado e o mesmo mês de 2015.

A vantagem do consórcio está na possibilidade de adquirir um bem em menos tempo, quando a contemplação ocorre logo nos primeiros meses, seja por sorteio ou por lance. Coordenador do laboratório de finanças do Insper, Michael Viriato explica que ser contemplado e não utilizar o crédito acaba desvirtuando o propósito da aplicação. “Consórcio não é investimento”, diz.

O diretor comercial da BB Consórcios, Paulo Ivan Rabelo, porém, vê com entusiasmo o adiamento das compras. “Devido ao perfil do cliente do consórcio não ser imediatista, entendemos que o produto tem cumprido seu objetivo no mercado”, diz.

Ainda que o crédito disponível seja corrigido pela inflação ou pela taxa básica de juros, outras aplicações podem ser mais vantajosas, dependendo dos planos do consumidor.

Além disso, os próprios custos para contratar um consórcio, como taxa de administração e seguro (quando previsto no contrato), podem corroer parte do valor a ser resgatado.

O consórcio, que funciona como um fundo, atrai pela possibilidade de barganhar descontos, uma vez que a compra do bem é feita à vista. Os participantes pagam parcelas mensais, que já embutem taxas e, para ter o direito a comprar o bem, precisam ser contemplados por sorteio ou lance (quando desembolsam quantia maior do que os outros consorciados para esse fundo).

Caso o valor desse bem seja menor que o do crédito disponível, é possível usar a sobra para pagar custos adicionais (como despesas com cartório, no caso de um imóvel). Quando o valor do bem é maior que o do crédito disponível, o contemplado deve arcar com a diferença.

É possível, ainda, sacar o dinheiro e usar para qualquer outro fim quando o consorciado termina de pagar todas as parcelas. É necessário, porém, esperar seis meses para dispor do valor.

Melhores condições. Para analistas, os custos adicionais de aquisição (como as despesas com cartório, no caso de imóveis, por exemplo) e os custos de manutenção fizeram o consumidor colocar o pé no freio. “A crise fez o consumidor contemplado adiar a compra em busca de condições mais favoráveis”, diz Paulo Roberto Rossi, presidente da Associação Brasileira de Administradoras de Consórcios (Abac).

A entidade destaca, no entanto, que a adesão a esse tipo de produto cresceu 4% em janeiro em relação a igual mês do ano passado. O maior crescimento observado pela Abac foi nas adesões aos consórcios de serviços, com alta de 47%. Para veículos pesados, houve aumento de 23%, seguido por um avanço de 14,7% em imóveis e de 8,6% em veículos leves. Na modalidade outros bens duráveis (que abarca eletrônicos, por exemplo), houve recuo de 12,5%. Nos consórcios para a compra de motocicletas, a queda foi de 2,7%.

O analista de sistemas Leonardo da Silva Júnior foi contemplado após oito meses em um consórcio para a compra de uma motocicleta. No entanto, ele mudou de planos e decidiu usar o crédito para a troca de seu automóvel. Porém, por ainda estar pagando as parcelas desse veículo, ele preferiu esperar. “Na hora certa, quando quitar e vender o meu carro, compro um novo com o dinheiro do consórcio”, diz.

Pedro Orlandi, da Associação Brasileira de Planejadores Financeiros (Planejar, antigo IBCPF), diz que o consumidor precisa ter claro o seu objetivo ao entrar em um consórcio para não perder o chamado custo de oportunidade. “Às vezes, é mais vantajoso fazer uma aplicação em renda fixa, por exemplo, que pode ter rentabilidade maior”, diz. Ele ressalta, no entanto, que não existe uma “regra de ouro”.

Mais conteúdo sobre:
Banco CentralInsperBrasileira

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.