Corretoras educam, captam e fidelizam investidor

Mercado de investimento brasileiro ainda pequeno faz com que corretoras invistam na formação de investidores

Yolanda Fordelone, do Economia & Negócios,

24 de julho de 2012 | 08h27

Há 10 anos, em Porto Alegre, os amigos Guilherme Benchimol e Marcelo Maisonnave criaram uma empresa de investimento, mas logo se depararam com um problema: a formação precária do brasileiro em finanças. A falta de conhecimento naquela época (e ainda hoje) levava muitas pessoas para aplicações tradicionais da caderneta de poupança e fundos conservadores. A educação financeira foi a chave do negócio para transformar a XP Investimentos num grupo com 60 mil clientes ativos - estratégia que tem sido seguida até hoje por ela e por outras corretoras. "Saber mexer com o dinheiro, investir, é tão importante quanto saber acumular, poupar, fazer um orçamento", diz Benchimol, hoje presidente da XP Investimentos.

Para a diretora do home broker Rico.com.vc, Mônica Sacarelli "o mercado de investimento no Brasil é pequeno e, para crescer, é preciso formar novos investidores". No primeiro semestre, a corretora ofereceu 240 palestras online e presenciais, ou seja, 10 eventos por semana. Além disso, mais 36 cursos. Com isso, a Rico atendeu 15 mil pessoas nas palestras e 1.500 em cursos. A parte online, conta Mônica, é a que mais cresce, por conta da praticidade.

De finanças domésticas a como investir em opções de ações, os temas são diversos. O fato é que as corretoras perceberam ao longo do tempo que oferecer educação financeira - paga ou gratuita - era uma boa estratégia de formar investidores e retê-los na própria corretora. "Cerca de 50% das pessoas que assistem os cursos viram clientes", conta Benchimol. Na XP, são 500 cursos presenciais por mês, com 5.000 alunos mensalmente.

Para fidelizar o investidor na Rico, há um chat diário com o analista André Moraes, no qual cerca de 120 pessoas se conectam antes da abertura do mercado. Há também salas de bate-papo ao longo do dia no Trade ao Vivo, para os diversos níveis de investidor, onde 700 pessoas conversam diariamente. "É uma assessoria que o investidor possui todos os dias e onde ele vai aprendendo", conta Mônica.

Na XP, a última investida foi o lançamento no mês passado do movimento "Acorda Brasil - Compare antes de investir" - uma ação que contará com 5 mil palestras em três meses. "Queremos despertar o investidor para o fato de que não podem aplicar sem antes comparar. O investimento é como uma compra. Você não compra algo sem comparar preços", diz o presidente da XP.

Segundo ele, a corretora quer ser um shopping center financeiro, no qual será possível adquirir de CDBs a fundos. A inspiração é a corretora americana Charles Schwab. "Ela foi a primeira corretora a investir na diversificação do portfólio e em educação e hoje é uma das maiores do mundo".

Tudo o que sabemos sobre:
FINANÇASEDUCAÇÃOCURSOS

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.