Imagem Fábio Gallo
Colunista
Fábio Gallo
Conteúdo Exclusivo para Assinante

ETFs têm tido bons resultados aqui e no exterior

Um ETF (exchange traded fund) de ações ou renda fixa é um fundo mútuo negociado em Bolsa, uma carteira de ativos que busca determinada performance

Fábio Gallo, O Estado de S.Paulo

22 de julho de 2019 | 04h00

Tenho visto alguns amigos investindo em ETFs. Vale a pena investir nesses fundos de Bolsa no exterior?

A resposta para essa questão depende da estratégia definida para seus investimentos. Investir no exterior é uma boa alternativa para diversificação de carteiras. Há muitas e boas oportunidades de investimentos internacionais e particularmente em ETFs. ETF (exchange traded fund) de ações ou renda fixa é um fundo mútuo negociado em Bolsa – é uma carteira de ativos que busca determinada performance. Embora seja um fundo, tem as mesmas características de negociação de uma ação, mas com maior diversificação: suas cotas são compradas e vendidas em pregão da Bolsa de Valores, por meio de uma corretora.

Atualmente na B3, a Bolsa de São Paulo, são listados 16 ETFs; alguns buscam obter, de forma geral, retornos de investimentos que correspondam à performance do índice Ibovespa. Os ETFs usualmente têm taxas de administração menores que os fundos tradicionais e facilitam o acesso de investidores a determinadas partes do mercado. Por exemplo, se você estiver interessado em investir em companhias preocupadas com a igualdade de gênero há o WFM (Empowerment Women’s Effectivement FEF), da Impact Shares YWCA.

Outro exemplo é o EQLT Workplace Equality Portfolio ETF, que é voltado para empresas que oferecem suporte a funcionários LGBT. Como há também o Yolo, dedicado a empresas do setor da maconha para uso legal, mercado com crescimento previsto de mais de 50% neste ano. Há ainda ETFs dedicados à geração dos millennials. Muitos desses ETFs têm apresentado performance melhor que alguns índices de mercado, como o S&P 500, por exemplo.

Tenho R$ 300 mil investidos em renda fixa. Agora estou pensando em entrar em uma franquia. É muito arriscado?

Ser um empreendedor envolve vários riscos, e é algo maior do que a decisão de como manter uma carteira de investimentos. É deixar a posição de investidor no mercado financeiro para assumir as responsabilidades de ter seu negócio. Significa uma mudança de vida bastante radical e obviamente o grau de risco é maior, mesmo quando comparamos o investimento no mercado de capitais.

Investir em renda variável tem alto risco, mas ser empreendedor o colocará à frente de vários desafios, pessoais e financeiros. A despeito de existirem muito boas oportunidades de franquias no mercado, você terá de se dedicar de corpo e alma ao novo negócio. No entanto, há maneiras de você mitigar o risco. No geral, você deve se preparar para essa mudança de vida, organizando muito bem o planejamento financeiro de sua família. Crie uma poupança para emergências e para ter algum recurso se o plano de ser seu próprio patrão der errado. Busque conhecer o setor e estude muito bem as ofertas de mercado. A Associação Brasileira de Franchising (ABF) pode ajudá-lo com cursos, informações e ofertas de franquias dentro do volume de capital que você dispõe. Segundo dados da ABF, houve crescimento do setor de 7% no primeiro trimestre de 2019.

Quando você estiver estudando as ofertas de mercado, a primeira e mais importante decisão a ser tomada é sobre o tipo de negócio em que gostaria de investir. Por exemplo, investir no setor de alimentos e bebidas pode significar ter de dar atenção ao negócio sete dias por semana. Cada setor tem suas próprias características e você tem de ver se a atividade tem a ver com você. O importante é buscar algo que traga satisfação e faça sentido na sua vida.

Tudo o que sabemos sobre:
economia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.