Carla Camp
Carla Camp

Evento quer ampliar acesso à educação financeira no País

Semana Enef contará com diversas ações pelo Brasil; ‘Estado’ fará vídeos diários com planejadores financeiros

Anna Carolina Papp, O Estado de S.Paulo

14 Maio 2018 | 05h00

Começa nesta segunda-feira e vai até o próximo sábado a quinta edição da Semana Nacional de Educação Financeira (Enef), organizada pelo Comitê Nacional de Educação Financeira (Conef) – composto por representantes de órgãos como Banco Central, Comissão de Valores Mobiliários (CVM) e a Superintendência Nacional de Previdência Complementar (Previc). Com diversas palestras e atividades pelo País, o objetivo do evento, com participação do Estado, é aumentar a conscientização sobre a educação financeira – de como preparar um orçamento familiar a como se planejar para a aposentadoria.

De segunda (14) a sexta-feira (19), às 16 horas, a equipe do portal de Economia & Negócios do Estadão e especialistas da Planejar – Associação Brasileira de Planejadores Financeiros – farão entrevistas ao vivo no Facebook abordando temas como planejamento financeiro, orçamento, investimentos e previdência. Os leitores terão suas perguntas respondidas pelos planejadores.

“O brasileiro tem muita dificuldade de tomar para si a responsabilidade de suas decisões financeiras”, diz Lavínia Martins, diretora da Planejar. “Ele deixa para poupar o que sobra no fim do mês – e nunca sobra; acumula dívidas em vários instrumentos de crédito sem entender ao certo como funcionam. O resultado é o alto endividamento: 60% da população, sendo um terço inadimplente.”

Ela menciona um estudo da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) que mede a habilidade de estudantes de 15 anos de lidar com questões financeiras. De um total de 15 países, o Brasil ficou na lanterna – mais da metade (53%) dos adolescentes ficaram abaixo do nível de conhecimentos financeiros mínimos avaliados.

+ Os riscos do superendividamento para a economia do País

“Tudo isso começa da base – por isso a importância de termos aprovado a inclusão do conteúdo de educação financeira na base curricular”, observa Lavínia. A medida passou a vigorar em janeiro deste ano.

Outro tema em voga é a aposentadoria – assunto que voltou aos holofotes com as tramitações da reforma da Previdência. “Uma das principais demandas é a preparação para a aposentadoria” observa Fábio Coelho, presidente do Conef. “As pessoas estão começando a se preocupar mais com a acumulação de poupança de longo prazo e buscando mais informações sobre serviços financeiros.”

A trajetória de queda de juros – que despencou de 14,25% para 6,5% ao ano – também motivou essa busca por novos produtos financeiros. “Houve um amadurecimento do investidores que estavam no mercado há mais tempo e também uma nova leva de investidores de ‘primeira viagem’”, observa José Alexandre Vasco, superintendente de proteção e orientação aos investidores da CVM. Confira a programação completa da 5ª Semana Enef em semanaenef.gov.br/agenda. Só 1 em cada 5 MEIs teve capacitação em finanças, aponta pesquisa do Sebrae

Semana Enef também irá focar em um importante agente da econômico, mas que ainda que carece de planejamento financeiro: o microempreendedor individual (MEI). Segundo levantamento inédito do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), 77% dos empreendedores autônomos que faturam até R$ 81 mil por ano nunca fizeram um curso ou treinamento em finanças. Além disso, metade deles ainda usa o caderno para anotar os gastos – só 21% utilizam computador. 

“Muitos desses empreendedores ainda se encontram em uma situação rústica e primária – o que mostra que ainda podemos evoluir muito na capacitação, com cursos de educação financeira”, observa Guilherme Afif Domingos, presidente do Sebrae. “Já os mais jovens estão assimilando a tecnologia de forma mais rápida, e o uso do cartão de crédito está crescendo”, diz. De acordo com a pesquisa, que ouviu mil pessoas entre os dias 14 e 26 de abril, 44% dos MEIs aceitam cartão como forma de pagamento.  

Outro desafio é quanto ao controle de despesas: 48% dos entrevistados não fazem previsão de gastos e 39% não registram todas as receitas. Além disso, 34% não costumam acompanhar o saldo de caixa ou o faz no máximo uma vez mensalmente. 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.