Fabio Motta/Estadão
Fabio Motta/Estadão

Fundos de fundos despontam como alternativa ao pequeno investidor

Produto permite diversificar com aporte mais baixo, mas tem taxas de administração mais elevadas

Jéssica Alves, O Estado de S.Paulo

14 Maio 2018 | 05h00

Seguindo a trajetória ascendente da indústria de fundos, que captou R$ 57,6 bilhões até abril e ultrapassou a marca de 14 milhões de contas, os fundos de investimento em cotas, conhecidos como FICs ou Funds Of Funds (FOFs) avançaram 54% no ano passado e prometem ser presença certa na prateleira de investimentos para quem quer fugir do pinga-pinga da renda fixa. Eles podem dar acesso a fundos que já fecharam captação e permitem diversificação com aportes menores – mas essa facilidade tem seu custo.

A carteira de um FIC é composta por cotas de outros fundos de investimentos disponíveis no mercado. Da mesma forma que nos outros fundos os gestores escolhem ativos – como títulos de renda fixa ou ações –, no caso dos FICs, o gestor escolhe outros fundos. 

No último ano, foram 1.060 novos fundos desse tipo ante 686 em 2016 – mesmo patamar que ele se encontrava em 2015 e 2014 (ver gráfico), segundo dados da Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais (Anbima). “É um espelho da indústria de fundos mais sofisticados voltando a crescer de forma mais pujante”, diz Daniel Pettine, gestor de fundos de investimentos da Rio Bravo. 

Segundo levantamento feito pelo buscador de investimentos Yubb, em abril deste ano, a busca por FICs dobrou ante o mesmo mês do ano passado. Esse avanço, segundo especialistas, vem de duas frentes. Primeiro das instituições, pois o cenário favorece a criação de novos fundos e os FICs são operacionalmente mais simples e baratos. Do lado do investidor, eles têm vantagem fiscal, dão acesso a fundos já fechados para captação e oferecem acesso a diversas estratégias de investimentos aporte menor. 

Dentro dos novos FICs, a maioria é classificada como fundos multimercado, que ganharam apelo frente à renda fixa por reunirem diversos ativos e, assim, oferecerem uma rentabilidade maior em tempos de juro baixo. Ao optar por FICs do tipo multimercado, o investidor deve atentar se está optando por um FIC que de fato aplica em diferentes estratégias – o chamado multigestor –, ou se é um fundo alimentador, chamado de feeder no jargão do mercado. Esses estão focados em um único fundo, mas tem a vantagem de dar acesso a uma estratégia que não está disponível. 

+ Corrida a fundo multimercado amplia fiscalização sobre risco

Mas, a principal lacuna que os FICs têm preenchido é de quem quer investir em fundos, mas não sabe qual melhor opção e não têm dinheiro para pulverizar seu montante em diversos produtos. Além do trabalho de busca, fundos que oferecem retornos bem acima do CDI (taxa que anda de mãos dadas com a Selic) podem chegar a R$ 50 mil de aporte inicial. Já um FIC com cotas de fundos desse tipo pode ser encontrado com entrada mínima entre R$ 10 mil e R$ 20 mil.

Custos. O trabalho de selecionar diversas estratégias, porém, eleva o custo do fundo, mesmo tendo uma estrutura operacional mais simples. Enquanto as taxas dos fundos em geral ficam entre 1,5% e 2% ao ano, a dos FICs fica na casa dos 2,5% a 3%.

Apesar de a taxa poder assustar, a professora da Fundação Getúlio Vargas Myrian Lund aconselha o investidor a olhar mais para a rentabilidade, sobretudo no caso da categoria multimercado. “A pessoa vai atrás do gestor, então tem de ver se a taxa mais alta é justificada por um fundo que pede mais ousadia, mais estratégia”, explica.

+ O que é o come-cotas e como ele reduz o rendimento dos fundos

Os FICs também ganham dos outros fundos na questão tributária. Num cenário em que o mercado oscila muito – como no caso de ano eleitoral – , o diretor de gestão de riqueza do BTG Pactual, Rafael Mazzer, explica que é comum as pessoas quererem mudar de estratégias e partir para outros fundos, o que acaba gerando uma despesa tributária significativa. Já no caso dos FICs, o próprio gestor que muda estratégia e faz realocações – sem o investidor precisar sair. 

Imobiliários. Em proporção menor, os fundos de fundos imobiliários também têm ganhado espaço, aproveitando o início de retomada do setor e a proximidade que o brasileiro tem com investimentos em imóveis. De 2014 até 2017, só foram lançados quatro fundos com cotas de fundos imobiliários no mercado. Só neste ano, dois fundos já foram lançados e mais um já se prepara para uma nova oferta, segundo levantamento da RBR Asset.

Apesar de estar exposto a outro mercado e ser cotado em Bolsa, a lógica dos fundos de fundos imobiliários é a mesma dos FICs, além de ser ainda mais acessível: é possível comprar uma cota com R$ 100. Essa aplicação também tem um papel importante na dinâmica desse mercado: dar liquidez. Ou seja, quem quer se desfazer de uma cota, poderá fazê-lo mais facilmente se tiver mais fundos interessados em comprá-la.

“Eles funcionam como veículo de acesso. Além disso, geralmente tem uma volatilidade menor”, defende o sócio da RBR Asset Bruno Nardo.

Como funcionam os fundos

Custos. Por conta das normas da CVM, todos os custos do fundo devem ser descontados antes do valor da cota, e portanto, da rentabilidade divulgada.

Vantagem. A principal vantagem dos fundos de investimeto é contar com profissionais especializados, dedicados exclusivamente 

à gestão dos recursos.

Desvantagem. Já as desvantagens estão  associadas à falta de autonomia na tomada de decisão, submissão a regras e à vontade da maioria dos cotistas.

Funcionamento. Os fundos obedecem a normas da CVM e a um regulamento próprio, que só pode ser alterado por decisão dos cotistas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.