Marcos Santos|USP Imagens
Marcos Santos|USP Imagens

Bolsa já sobe mais de 12% no ano, mas renda fixa ainda é boa aposta

Investimento em ações fica mais atraente e analistas esperam ainda mais ganhos; Selic alta, no entanto, ainda favorece aplicações mais conservadoras

Malena Oliveira, O Estado de S.Paulo

15 de fevereiro de 2017 | 18h55

A Bovespa alcançou nesta quarta-feira, 15, o maior patamar desde 2012 e já contabiliza alta de mais de 12% desde janeiro. A perspectiva é de que o mercado de ações mantenha o embalo e os principais motores são a queda da inflação e da taxa de juros, que favorecem a volta do consumo. Para as empresas, a redução da Selic diminui o custo da dívida e torna o cenário mais favorável para investimentos, o que, por sua vez, deve se refletir em lucros maiores e mais ganhos para os acionistas.

A melhora no cenário econômico e político no Brasil também influencia. "O mercado já está precificando a retomada do grau de investimento. Não é algo para o curto prazo, mas se as agências sinalizarem que o viés para o Brasil é positivo - e isso ainda não aconteceu - a Bolsa pode subir ainda mais", diz Marco Saravalle, analista da XP Investimentos.

Apesar de ainda não haver sinais claros de retomada da economia, papéis de companhias ligadas ao setor financeiro e ao consumo têm mostrado mais fôlego. Analista da corretora Rico, Leandro Martins destaca a melhora no desempenho das empresas de varejo na Bolsa, principalmente no ramo de shopping centers. 

Passado o primeiro impacto da eleição de Donald Trump nos Estados Unidos, as bolsas no exterior se recuperaram e estão batendo recordes históricos, otimismo que também se reflete no mercado doméstico. Martins reforça que a Bovespa ainda está longe do patamar pré-crise de 2008 e que pode até superar o pico de 73,9 mil pontos atingido há dez anos. "Faz muito tempo que não temos um momento parecido para o investidor pessoas fisica", diz.

No entanto, ainda que a Selic recue e termine o ano na casa de um dígito, a queda da inflação faz com que o ganho real na renda fixa ainda seja atraente. Especialista em finanças, a professora da FGV Myrian Lund ressalta que o investidor que quer aplicar recursos na Bolsa precisa ter em mente que não há garantia de retorno. Se o objetivo é preservar capital, diz a professora, a recomendação é a renda fixa.

Caso o investidor já tenha aplicações em renda fixa e queira diversificar seu portfólio, Myrian aconselha a investir em ações aos poucos e em papéis de pelo menos cinco empresas de setores diferentes. Assim, é possível diminuir o impacto das oscilações no retorno do investimento. 

Outro detalhe importante é conhecer a fundo as condições do mercado e as empresas em que se está investindo: "Se o investidor não consegue acompanhar as mudanças, pode optar pelos fundos de ações. Porém, precisa prestar atenção ao histórico de rentabilidade e procurar produtos que superem o Ibovespa [principal índice de ações do mercado brasileiro]", diz Myrian.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.