‘Não é para sair da poupança e aplicar em ações; é um processo'

‘Não é para sair da poupança e aplicar em ações; é um processo'

Para Carlos Ratto, diretor da B3, com a taxa de juros menor, é natural olhar para outras alternativas de investimentos

Entrevista com

Jéssica Alves, O Estado de São Paulo

01 de janeiro de 2018 | 05h00

O diretor da B3, Carlos Ratto, diz que o investidor tem de tomar cuidado antes de fazer um aplicação. Segundo ele,  ler relatórios e ter apoio de um profissional são dicas importantes antes de tomar uma decisão. A seguir, os principais trechos da entrevista.

Apesar da forte recuperação da Bolsa em 2016 e 2017, o número de investidores ainda é pequeno. O mercado acionário ainda assusta? 

Não acho que assuste. São os pilares que o investidor busca: rentabilidade, liquidez e segurança. No Tesouro Direto, por exemplo, ainda que a rentabilidade tenha caído, continua interessante, pois há segurança e liquidez. Por isso, o público que começou há pouco tempo a investir no Tesouro não é o público que vai investir em ações amanhã. É preferível que seja de uma forma mais lenta. Sair da poupança e aplicar em ações não é saudável. É um processo, um reflexo de várias coisas, entre elas a taxa de juros. Mas, nos últimos anos, cresceu a cultura de sair da poupança, conhecer as alternativas e aplicar via corretoras. 

Como começar na renda variável?

Depende do objetivo de cada investidor. Não é só renda fixa ou Bolsa. Mesmo dentro de renda variável, há alternativas. Por exemplo: é melhor comprar ações ou um ETF? Dentro da renda fixa: ao sair da poupança, vai para fundo, Tesouro, CDB, LCI ou LCA? O investidor pode, por exemplo, montar uma carteira com ETFs e Tesouro, para depois chegar a uma carteira de ações. Ele tem de ter noção de que, quando compra ação, está comprando parte da empresa – então, está dividindo as alegrias e tristezas daquela companhia. Por isso, prefiro que tenhamos 600 mil (investidores), amanhã 700 mil e depois 800 mil, mas que esse cara não saia, do que ter 2 milhões e, se amanhã a Bolsa cair, todo mundo sai. É melhor crescer de forma consistente do que virar moda.

A onda de IPOs deu um novo fôlego ao mercado. O que esperar para 2018?

Quanto mais empresas para o investidor escolher, melhor. Cada vez mais empresas veem o mercado de capitais como importante fonte de financiamento de longo prazo. O investidor, porém, tem de tomar cuidado, ler os relatórios e ter apoio de um profissional. “Ah, gosto muito do Burger King, então vou comprar as ações.” Ele tem de analisar, ver por quanto tempo, a capacidade de suportar o investimento. Mesmo com o ponto de interrogação da eleição, se o cenário de crescimento se mantiver, com apetite maior das empresas, é natural que o mercado de capitais cresça em 2018, seja por IPOs ou por emissão de dívida.

Ainda há espaço para entrar na Bolsa?

Com a taxa de juros menor, é natural olhar para outras alternativas – e o mercado de ações é uma delas. Mas, as decisões devem ser racionais. Não adianta ser superconservador e entrar em ações porque o amigo está aplicando, ou achar que vai ficar rico aplicando em Bolsa. Esse tipo de empolgação a gente tem de evitar./

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.