Adriano Machado/Reuters
Adriano Machado/Reuters

'Não queremos acabar com parcelamento sem juros no cartão', diz presidente do BC

Discussão sobre o fim do parcelamento é um embate entre lojistas e administradoras de cartão de crédito que pode afetar consumidores

Altamiro Silva Junior e Francisco Carlos de Assis, O Estado de S.Paulo

26 Fevereiro 2018 | 11h02

O presidente do Banco Central, Ilan Goldfajn, afirmou que a autoridade monetária trabalha para reduzir distorções no mercado de cartão de crédito e os custos do sistema, mas ressaltou que não há planos para se acabar com o parcelamento sem juros no cartão, como chegou a ser noticiado. "O consumidor precisa saber que o parcelamento tem juros, nada é de graça", disse ao responder perguntas de empresários em evento da Câmara Espanhola de Comércio no Brasil. 

+ Fim do parcelamento sem custo no cartão: prejuízo ao consumidor

"Estamos tentando mexer no sistema para eliminar distorções", disse Ilan. Na apresentação ele ressaltou que o BC quer estimular o uso de meios eletrônicos de pagamentos, como o cartão, para substituir o papel moeda. O meio é mais eficiente e ajuda a evitar problemas como a lavagem de dinheiro, segundo ele.  

+ Mudança no parcelado sem juros divide setor de cartões

A discussão sobre o fim do parcelamento sem juros no pagamento com cartão de crédito é um embate entre lojistas e administradoras de cartão de crédito. Hoje a opção de parcelar sem alteração do preço ofertado pelo produto ou serviço, e o prazo para pagamento, são definidos pelo lojista que recebe a primeira parcela após 30 dias, e o consumidor vai pagando as parcelas no cartão. O setor quer antecipar esse prazo para até 5 dias.

+ Bradesco lança conta corrente gratuita para divulgar seu banco digital

 

Ao falar da necessidade de financiamento de longo prazo, Ilan mencionou que inflação baixa e estabilidade macroeconômica são um "insumo" importante para permitir que este mercado se desenvolva. O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) vai continuar tendo seu papel, mas o mercado de capitais deve ganhar peso como financiador para projetos de infraestrutura, disse ele.

Embate. Segundo apurou a Coluna do Broadcast, a mudança no parcelado sem juros divide setor de cartões. As empresas ligadas aos maiores bancos, representadas principalmente pela Associação Brasileira das Empresas de Cartões de Crédito e Serviços (Abecs), defendem o “novo crediário” como proposta ao Banco Central para pagar os lojistas em menos dias, tirando o Brasil da condição de único mercado em que o varejo só recebe o pagamento com cartão de crédito após 30 dias.

Enquanto isso, os novos adquirentes, que formam a Associação Brasileira das Instituições de Pagamento (Abipag), têm na antecipação de recebíveis sua principal fonte de receitas. Se o novo crediário pegar, isso vai para o espaço, porque já nascerá no formato de até D+5 – ou seja, pagamento ao estabelecimento em até cinco dias -, contra o atual D+30 praticado pelo setor como um todo.

Mais conteúdo sobre:
Ilan Goldfajn cartão de crédito

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.