Imagem Fábio Gallo
Colunista
Fábio Gallo
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Poupança ainda é opção para curto prazo

Recursos podem ser liberados assim que solicitados

Fábio Gallo, Impresso

19 de dezembro de 2016 | 05h00

Gostaria de saber onde devo aplicar por trinta dias o valor de R$ 250.000,00.

Para esse tipo de investimento a caderneta de poupança é uma boa solução. O prazo é muito curto e o dinheiro precisa ser liberado com facilidade. Nesse caso, a poupança se justifica porque é de fácil aplicação, os recursos são liberados assim que solicitado, não há custo algum ou incidência de Imposto de Renda. Além disso, até R$ 250 mil o investimento é garantido pelo Fundo Garantidor de Crédito (FGC). Sempre encontro comentários muito limitados a respeito da poupança, principalmente dizendo de maneira simplista que é uma aplicação que não vale a pena por conta da rentabilidade muito baixa. Isso é uma verdade, mas que deve ser dita com certo cuidado. Muita gente diz com razão que nestes últimos tempos a poupança está perdendo da inflação. Em 2015, por exemplo, a inflação foi de 10,67%, ao passo que a rentabilidade da poupança foi de 7,94%. Houve, portanto, perda real. Mas vamos considerar que uma pessoa tivesse investido na poupança R$ 100 no primeiro dia de 1995 e somente sacasse o dinheiro no último dia de 2015. O valor acumulado no período seria de R$ 831,70, um retorno de 731,70%, sendo que o IPCA do período foi de 341,94%. Caso a comparação para esse mesmo período seja feita com o Ibovespa, a caderneta é mais interessante porque o investimento na Bolsa teria rendido o equivalente a 741,32% do dinheiro aplicado. Obviamente, há períodos em que os ganhos em Bolsa são muito superiores do que a média de investimentos em renda fixa, beneficiados pela alta taxa de juros brasileira. O argumento aqui procura mostrar que todos os investimentos são bons em si, mas não são vantajosos a todo momento nem para todos os bolsos.

Recebi uma oferta sobre planos de previdência grátis para nascidos na virada do ano. Vale a pena ter desde cedo uma aplicação financeira como essa?

Sem dúvida alguma é uma boa opção ter esse tipo de investimento. Quanto mais cedo você iniciar, melhor será. Isso independentemente de ter sido um presente. Ser um presente torna a oportunidade ótima, já que veio com um depósito inicial. Somente um valor ao redor de R$ 2 mil, por exemplo, rendendo por 30 anos, com uma rentabilidade nominal de 12% ao ano, atinge o montante de R$ 60.429,00. E, se bem entendi que a previdência é grátis no sentido de não trazer custo algum para o investidor, provavelmente, somente sendo descontado o Imposto de Renda, isso torna esse presente algo melhor ainda. Sendo este o entendimento correto, você tem uma grande oportunidade de realizar contribuições mensais e gerar uma boa poupança para sua aposentadoria e efetivamente complementar a sua renda. Mesmo porque as regras da Previdência pública estão sendo alteradas e vão demorar mais tempo e será mais difícil a aposentadoria. Obviamente, estou admitindo que a entidade é idônea. Em qualquer situação, iniciar cedo a geração de poupança pensando na aposentadoria é sempre melhor, justamente para evitar o chamado custo da espera. Por exemplo: uma pessoa que queira acumular um valor de R$ 500 mil daqui a 30 anos, com juros na base de 1% ao mês, deverá depositar mensalmente R$ 143,06. No entanto, caso essa pessoa espere por mais 20 anos para começar essa poupança, assim tendo somente 10 anos para acumular esse mesmo valor, o depósito mensal deverá de R$ 2.173, 54. Portanto, o custo da espera é de R$2.030,48. Comece cedo e você terá um futuro bem mais tranquilo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.