Estadão
Estadão

Poupança deve seguir crescendo com manutenção da Selic

Simulação da Anefac mostra que a poupança bate fundos de renda fixa que têm taxas maiores que 1% ao ano; Brasil teve mais de R$ 1 trilhão depositados em caderneta de poupança no 1º semestre

Pedro Ladislau Leite, O Estado de S.Paulo

01 Agosto 2018 | 19h42

A decisão do Banco Central desta quarta-feira, 1º, de manter os juros básicos da economia em 6,50% ao ano, dá ainda mais fôlego para a poupança no Brasil.

Segundo a Associação Nacional dos Executivos de Finanças, Administração e Contabilidade (Anefac), o rendimento da poupança com o valor atual da Selic é de 0,37% por mês, ou 4,53% ao ano. O BC calcula que a inflação do ano ficará em 4,2%.

O diretor da Anefac Miguel Oliveira explica que, como investimentos nesse segmento não recebem cobrança de impostos nem de taxas de administração, os rendimentos da poupança se destacam em relação a fundos de renda fixa, que também buscam retornos com baixo risco.

De acordo com os cálculos da associação, esses fundos apenas terão rendimento maior que a poupança quando as taxas de administração forem inferiores a 1% ao ano.

 

Segundo o BC, a caderneta de poupança terminou o primeiro semestre de 2018 com dépositos de R$ 1,070 trilhão. Segundo Miguel Oliveira, esse número tende a aumentar, já que a poupança é o investimento mais popular e deve seguir ganhando da inflação.

Simulação

A Anefac calcula que uma aplicação financeira no valor de R$ 10 mil pelo prazo de doze meses (considerando a Selic estável em 6,50 % ao ano) na poupança teria acumulado total de R$ 10.455. Já em um fundo de investimentos cuja taxa de administração seja de 3% ao ano, este investidor teria acumulado R$ 10.354.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.